Exportação de suco de laranja do Brasil fecha safra 2021/22 com alta de 5,33%

A Europa continua sendo o maior mercado comprador da bebida brasileira, com participação de 63,6%

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Trabalhadores carregam caminhão com laranjas produzidas em uma fazenda em Limeira, no interior de São Paulo

Acessibilidade


As exportações de suco de laranja do Brasil atingiram 1,07 milhão de toneladas na safra 2021/22, alta de 5,33% em relação à temporada anterior, em meio a um crescimento firme nos embarques para a China e leve avanço aos EUA, informou hoje (19) a Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR).

O aumento ocorreu mesmo diante de gargalos no setor produtivo, que enfrentou ajustes na oferta da bebida após problemas climáticos que afetaram as lavouras no ano passado.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

“Essa foi uma das safras mais difíceis dos últimos anos, com uma oferta pequena de fruta aliada a problemas decorrentes de seca e geadas”, disse em nota o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto.

Com os embarques de suco (FCOJ Equivalente a 66º Brix), o faturamento acumulado na safra 2021/22 alcançou US$ 1,622 bilhão, alta de 6,95%, mostrou o levantamento da entidade com base em dados do governo federal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Europa continua sendo o maior mercado comprador da bebida brasileira, com participação de 63,6%, porém diminuiu em 5,64% as importações comparadas ao ciclo anterior, para 614.190 toneladas.

O faturamento obtido com embarques aos europeus, por sua vez, somou US$ 1,038 bilhão, 5,87% acima dos 981 milhões vistos no ciclo anterior.

Já a China importou na safra o total de 77.477 toneladas, 33,56% a mais do que na temporada anterior. Em faturamento, as exportações cresceram 24,35%, para US$ 91 milhões.

Os Estados Unidos seguem como um mercado consolidado, representando 20,75% das vendas totais do produto brasileiro, e aumentou em 1,21% as aquisições em 2021/22, para 200.558 toneladas.

Em receitas, as vendas aos americanos foram de US$ 362,5 milhões, crescimento de 21,98%.

Compartilhe esta publicação: