Nestlé investe mais R$ 228,5 milhões em fábrica de ração para "pets"

Brasil é o terceiro maior mercado para ração para "pets", atrás de Estados Unidos e China

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Pierre Albouy
REUTERS/Pierre Albouy

Ração para gatos da Nestlé Purina em supermercado em Vevey.

Acessibilidade


Crescendo acima do mercado, a Nestlé Purina anunciou hoje (26) investimento adicional de R$ 228,5 milhões para a expansão da fábrica de ração para cães e gatos situada em Ribeirão Preto (SP), o que vai ajudar a empresa a atender a forte demanda local e de exportação.

O Brasil é o terceiro maior mercado para ração para “pets”, atrás de Estados Unidos e China, com avanço de mais de 21% em 2021, um ritmo acima da taxa global de expansão, o que tem atraído investimentos de empresas como a Nestlé e a BRF.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Segundo Marcel de Barros, CEO de Nestlé Purina Brasil, o mercado brasileiro de ração para “pets” teve crescimento de cerca de 14% no primeiro trimestre, abaixo do visto em 2021, mas ainda segue em “duplo dígito”. E a perspectiva para 2022 é manter a tendência dos primeiros três meses do ano.

“O que possibilita este investimento nosso é o contínuo ganho de ‘market share’ que temos tido, a Nestlé vem crescendo mais do que a indústria. Para suportar esse crescimento, estamos fazendo estes investimentos”, disse Barros, à Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Paralelamente ao investimento anunciado, a Nestlé Purina inaugurou nesta terça-feira uma expansão da unidade de Ribeirão Preto, após investimentos de R$ 120 milhões divulgados no ano passado, o que permitiu aumentar em 35% a capacidade da planta, ou 50 mil toneladas/ano.

Com o crescimento da produção, houve um “gargalo” de espaço físico, o que levou a Nestlé a adquirir um terreno anexo à unidade fabril na cidade do interior de São Paulo, por R$ 28,5 milhões.

“Concluímos em junho a aquisição do terreno, isso vai tirar a limitação para seguir expandindo a planta. Isso vai possibilitar investir os outros 200 milhões”, afirmou Barros, ponderando que a empresa ainda está avaliando quais linhas serão ampliadas, se a de alimentos secos, úmidos ou “snacks”, com os novos aportes.

A unidade de Ribeirão Preto, que começou a operar em 1973, foi a primeira da América Latina a ter rações úmidas para “pets”, lembrou o executivo.

Antes dos investimentos para a expansão que está sendo inaugurada nesta terça-feira, a unidade havia recebido cerca de R$ 700 milhões em um período de cinco anos.

No ano passado, 15% da produção da unidade de Ribeirão Preto foi destinada para a exportação, com o mercado interno absorvendo o restante. E a previsão é manter esta proporção após a expansão da capacidade.

A planta de Ribeirão Preto está habilitada para exportar para os Estados Unidos, países da Europa, além de toda a América do Sul.

SANTA CATARINA

A unidade Purina tem absorvido parte importante dos investimentos totais da Nestlé no Brasil, que projeta ao todo R$ 1,8 bilhão em aportes no país em 2022.

Isso porque a empresa desenvolve um grande projeto em Santa Catarina. A unidade que está sendo construída em Vargeão já teve aprovados R$ 1 bilhão e outros R$ 350 milhões estão em “fase de aprovação”, disse o executivo.

A primeira linha de produção catarinense deve começar a operar no primeiro trimestre de 2023.

Na medida em que a demanda crescer, o complexo de Vargeão deve ser ampliado, podendo receber um total de R$ 2,5 bilhões em investimentos, disse a empresa anteriormente.

Compartilhe esta publicação: