Programa Mundial de Alimentos fecha acordo de exportação com a Ucrânia

A Ucrânia e a Rússia são grandes exportadores de grãos e o bloqueio do porto reteve milhões de toneladas de grãos no país

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Trabalhador manipulando grãos em um transporte

Acessibilidade


O Programa Mundial de Alimentos (PMA) disse estar otimista com um acordo mediado pela ONU para reabrir os portos ucranianos para exportações de grãos, mas alertou que o acordo por si só não resolverá a crise alimentar global, mesmo que seja implementado de forma eficaz.

Rússia, Ucrânia, Nações Unidas e Turquia assinaram um acordo na última sexta-feira com o objetivo de permitir a passagem segura de navios que entram e saem de três portos ucranianos do Mar Negro que foram bloqueados pela Rússia desde a invasão por Moscou em 24 de fevereiro.

A Ucrânia e a Rússia são grandes exportadores de grãos e o bloqueio do porto reteve milhões de toneladas de grãos no país. Juntamente com as sanções ocidentais contra a Rússia, os preços da energia e dos alimentos dispararam, provocando protestos nos países em desenvolvimento que dependem dos grãos do Mar Negro.

O próprio PMA teve que cortar a ajuda este ano em pontos críticos da fome, como Iêmen e Sudão do Sul, devido à inflação global e lacunas críticas de financiamento, ambas exacerbadas pelo conflito na Ucrânia.

“Estamos otimistas de que o acordo possa levar a melhorias nos preços globais dos alimentos. Os países dependentes do fornecimento de grãos do Mar Negro provavelmente serão os primeiros a sentir um impacto positivo”, disse uma porta-voz do PMA à Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ela acrescentou, no entanto, que a atual crise global de alimentos não é apenas uma crise de preços, e que o conflito causado pelo homem, os choques climáticos e a pandemia de Covid-19 continuarão a aumentar a insegurança alimentar global, mesmo que o acordo de sexta-feira seja válido.

No sábado, mísseis russos atingiram o porto de Odesas, no sul da Ucrânia, acendendo um sinal de alerta de que o acordo pode ser descarrilado um dia após a assinatura, embora o Kremlin tenha descartado isso, dizendo que o ataque visava apenas à infraestrutura militar.

Um alto funcionário do governo ucraniano disse nesta segunda-feira que espera que o primeiro embarque de grãos da Ucrânia possa ser feito de Chornomorsk nesta semana, com embarques de outros portos mencionados no acordo dentro de duas semanas.

Antes do conflito, o PMA costumava comprar mais da metade de seu trigo da Ucrânia. A agência, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2020, disse que cerca de 47 milhões de pessoas enfrentam “fome aguda” este ano devido à atual crise global de alimentos.

Compartilhe esta publicação: