Indústria automobilística pede que Biden apoie plano abrangente para veículos elétricos

Mohammad Khursheed/Reuters
Mohammad Khursheed/Reuters

Durante campanha eleitoral, Joe Biden prometeu investimentos e infraestrutura e incentivo à fabricação de veículos com baixo consumo de combustível e instalação de 500 mil estações de recarga de veículos elétricos

As principais montadoras, empresas de autopeças e o sindicato United Auto Workers (UAW) pediram ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que apoie um “plano estendido” para veículos elétricos (VEs), pedidos expressivos créditos fiscais do governo e vários outros incentivos financeiros.

Os pedidos foram feitos em uma carta de seis páginas datada de 29 de março e antes de um esperado anúncio de Biden para amanhã (31) de uma proposta de infraestrutura de US$ 3 trilhões de dólares ou mais que poderia incluir suporte significativo para fabricação de veículos elétricos (VEs).

LEIA TAMBÉM: Biden mira expansão da energia eólica offshore para combater mudança climática

A carta do UAW e de dois grandes grupos comerciais da indústria automobilística observou que há apenas 1,5 milhão de EVs dos 278 milhões de veículos de passageiros registrados nos Estados Unidos.

“Precisamos de um plano distribuído que leve em consideração as atuais realidades do mercado”, disse a carta, que foi lida pela “Reuters”. “Nem a trajetória atual de adoção de VEs pelo consumidor, nem os níveis existentes de apoio federal para políticas de oferta e demanda são suficientes para cumprir nossa meta de um futuro de transporte de carbono zero.”

A Casa Branca não comentou imediatamente sobre a carta.

John Bozzella, que lidera a Alliance for Automobile Innovation, que representa a General Motors, Toyota, Volkswagen e outros, observou que VEs representam apenas 2% das vendas nos EUA atualmente.

“Uma transição completa exigirá um enorme esforço da economia em todos os setores”, disse Bozzella, que assinou uma carta junto com o presidente-executivo da Motor & Equipment Manufacturers Association, Bill Long.

Alguns parlamentares e outros estão preocupados com o impacto da mudança para VEs nos empregos automobilísticos.

VEJA MAIS: Retorno global do investimento em energia renovável é sete vezes maior do que os combustíveis fósseis

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Automóvel, Rory Gamble, que também assinou uma carta, disse em um comunicado à “Reuters” que “os trabalhadores sofrerão desproporcionalmente se não fizermos isso direito.”

“A realidade é que temos um longo caminho a percorrer em termos de tecnologia de baterias, infraestrutura de reabastecimento e, mais importante, a demanda do mercado para fazer essa transição com sucesso.”

 

INCENTIVOS

A carta pede a Biden que apoie incentivos fiscais garantidos do governo e subsídios para a fabricação e compra de VEs,e impulsione as compras de VEs para a frota do governo federal.

Também demanda subsídios do governo para fabricantes de automóveis e fornecedores “para reequipar, expandir e estabelecer instalações” para VEs e componentes e para acelerar a fabricação doméstica de baterias e motores elétricos, entre outros.

LEIA TAMBÉM: ESG: um novo olhar para os negócios para mitigar impactos ambientais e sociais

Como candidato, Biden prometeu investir US$ 2 trilhões em gastos com infraestrutura, incluindo conserto de rodovias, pontes e aeroportos, além de incentivo à fabricação de veículos com baixo consumo de combustível e instalação de 500 mil estações de recarga de VEs.

De acordo com a carta, existem atualmente 100.000 pontos de recarga em todo o país. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).