Apresentado por       

Quase 90% das agroindústrias usam dados sobre desmatamento para tomar decisões

Pesquisa coordenada pela Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura entrevistou representantes de 60 organizações que lidam diretamente com o tema.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Leo FFreitas/Getty Images
Leo FFreitas/Getty Images

Os dados sobre desmatamento são consultados principalmente para implantação de novos negócios ou operações

Acessibilidade


Um estudo da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura revela como o desmatamento impacta na tomada de decisão do setor privado. Em meio ao levantamento, que entrevistou representantes de 60 organizações que lidam diretamente com o tema, os pesquisadores obtiveram uma resposta interessante: o desmatamento pesa na hora de investir. Quase 90% dos entrevistados relataram que já utilizam dados sobre desflorestamento para tomar decisões em seus negócios.

“Esse resultado mostra que o desmatamento deixou de ser apenas um ponto de atenção para se tornar um balizador de decisões de negócio dentro de uma importante fatia do setor agroindustrial e florestal no Brasil”, explica Paula Bernasconi, coordenadora de incentivos econômicos para conservação no ICV (Instituto Centro de Vida) e líder de pesquisas na Coalizão Brasil.

LEIA MAIS: Economia circular: 5 plataformas que dão muito dinheiro e, ao mesmo tempo, preservam o meio ambiente

“O próximo passo é consolidar a transição da fase de informação e conscientização para a fase da ação já que, só quando os dados de desmatamento forem realmente usados como critério prioritário na tomada de decisão dos negócios, teremos consequências práticas para toda a cadeia de valor e para o ambiente”, analisa Paula. Embora não seja possível afirmar que o mapeamento representa o perfil de uso de dados de todo o setor privado brasileiro, ele traz pistas importantes sobre como as empresas têm lidado com o assunto.

O mapeamento indica, por exemplo, que os dados sobre desmatamento são consultados principalmente para implantação de novos negócios ou operações, representando 64% dos casos. Na segunda posição, está o monitoramento de fornecedores, com 36%. Já o monitoramento das áreas produtivas aparece em terceiro lugar, com 25% de atenção. Os entrevistados também mencionaram o uso dos dados para estimar emissões de gases de efeito estufa, analisar riscos regionais de desmatamento, construir argumentos de comunicação e elaborar cenários de expansão da soja e da pecuária.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A diversidade nas finalidades de uso dos dados reforça a importância desse tipo de informação para o setor”, destaca Clarissa Gandour, coordenadora de avaliação de política pública de conservação do Climate Policy Initiative/PUC-Rio e também líder da pesquisa da Coalizão. E essa não é a única surpresa. A frequência de uso dos dados também representa um pilar muito importante. Um a cada quatro participantes relatou atenção diária aos estudos.

Embora o levantamento tenha revelado um cenário empresarial positivo, ainda há algumas dificuldades e dúvidas no uso dos dados ambientais. A dificuldade para obter informações sobre os ocupantes das áreas com desmatamento, a falta de atualizações e detalhamento dos dados e as dúvidas sobre sua credibilidade – devido ao risco de interferência política nos órgãos responsáveis – são as reclamações mais frequentes dos entrevistados.

Por conta disso, os participantes relataram que seria necessária uma simplificação na forma de disponibilizar e acessar essas informações, com dados divulgados todos os meses. Essa demanda explica por que mais de 40% dos participantes relataram utilizar dados já analisados fornecidos por parceiros ou prestadores de serviço ao invés de acessarem diretamente a fonte. Além disso, houve também uma sugestão de criação de plataforma para emissão de certidão negativa de desmatamento.

“Parte das dúvidas identificadas no mapeamento, como aquelas referentes ao cruzamento dos dados de desmatamento com dados sobre outros temas, já podem ser abordadas com orientações específicas a esse público, seja via um material informativo ou oficinas de capacitação”, explica Clarissa. “No entanto, para solucionar outras questões, como as informações sobre os ocupantes das áreas, será preciso investir em ações de transparência”, completa Paula.

Na visão das pesquisadoras, esses temas são fundamentais para avançar na sustentabilidade das cadeias produtivas agropecuárias e florestais. Só assim é possível coibir a associação dessas empresas com práticas ilegais que prejudicam a imagem desses setores no país.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: