Apresentado por       

Como os investimentos ESG e de impacto podem redefinir o mundo da inovação

Oportunidades de mudanças estão nas mãos dos investidores responsáveis pela renovação do ecossistema corporativo.

Jonathan Kaufman
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Luis Alvarez/Getty Images
Luis Alvarez/Getty Images

Investimentos ESG podem provocar grandes inovações no ecossistema corporativo

Acessibilidade


O mundo do trabalho está passando por um momento de transformação e chegamos a um ponto de inflexão para discutir como fazer uma mudança real acontecer. Talvez muitas das respostas estejam na esfera da deficiência, e o mecanismo para fazer essa mudança está nas mãos da comunidade de investimentos que têm acesso ao capital necessário para iniciá-la em todo o ecossistema corporativo. No entanto, é fundamental que primeiro estabeleçamos um ponto de conexão entre os investidores e as pessoas portadoras de deficiência para quebrar barreiras, reconhecer o potencial e estar abertos à ideia de que o prêmio final é a inovação social em grande escala.

Embora essas ideias possam não ser familiares para muitos, certamente alguns passos foram dados nos últimos anos para explorar esses valores de conexão. Um dos mais proeminentes vem de um artigo técnico produzido pelo The Harkin Institute e G-17 Partner’s escrito por Robert Ludke, intitulado “Solving ‘Then What?’: Empowering Investors to Achieve Competitive, Integrated Employment for People with Disabilities” (“Resolvendo ‘Então o Quê?’: Capacitando Investidores para Alcançarem Emprego Competitivo e Integrado para Pessoas com Deficiências”, em tradução livre), onde ele escreve: “As implicações das imaginações são enormes e os resultados disso chegarão para as próximas gerações. O talento humano impacta a capacidade de inovar, produzir e vender todos os bens e serviços que usamos em nossas vidas. É o último fator determinante em nossa capacidade de alcançar os avanços necessários para que a sociedade seja melhor para as gerações futuras”.

LEIA TAMBÉM: Mundo precisa remover 1 bilhão de toneladas de CO2 até 2025 para atingir meta, mostra estudo

À medida que as empresas de capital de risco e outros investidores institucionais começam a explorar mais profundamente o valor potencial do ESG (meio ambiente, governança social e corporativa) e outras áreas de investimento responsável, uma das características mais críticas desse esforço é ter a visão de que isso é não apenas para diminuir a lacuna de riqueza, mas usando a experiência vivida pela deficiência que habita o mundo da inovação para ser o catalisador do crescimento de vários setores de negócios, desde saúde, tecnologia, produtos de consumo e entre outros. O mercado de ideias se tornará tão crítico quanto os próprios mercados de capitais. Para estimular os investidores a ter uma visão de longo prazo adequada, eles devem ser capazes de absorver a ideia de que investir na deficiência é sinônimo de investir em inovação. Ao reformular o próprio vernáculo para os investidores, começa a abrir um grande número de possibilidades para dar o próximo passo no sentido de envolver a comunidade empresarial mais ampla.

Com os investidores começando a se familiarizar com essa conexão central entre deficiência e inovação, ela abre o potencial para dar o próximo passo no cultivo de um novo motor econômico para o futuro, ao mesmo tempo que controla melhor o relacionamento entre o investidor, o empresário e a empresa. É o próprio relacionamento que se torna um motor fundamental para a saúde e vitalidade de longo prazo do crescimento da organização. Ao compreender as necessidades e os pontos fortes, especialmente para empreendedores com deficiência, os investidores podem desenvolver uma cadência e um ritmo que proporcione novos caminhos de crescimento e crie uma janela para uma revolução crescente, expandindo as oportunidades do setor e se engajando no processo do futuro do próprio trabalho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Conforme os investidores percebem as oportunidades potenciais de investir no espaço da deficiência, isso reafirma a noção de que as empresas devem se livrar dos vestígios do passado e ver que investir no espaço da deficiência é uma linguagem de inovação projetada para aprimorar o ser humano que estabelece novas soluções para os desafios que temos pela frente no mundo do século 21.

Não é mais prudente para os investidores se limitarem às noções preconcebidas do passado, mas sim ver que a amplitude do espaço da deficiência é essencial para o crescimento de vários setores de negócios e o eixo para ultrapassar limites e criar uma força disruptiva em todos os ecossistemas de negócios. À medida que entramos neste novo relacionamento entre a comunidade de investidores e aqueles em todo o espaço da deficiência, de empreendedores, aceleradores a várias organizações, o objetivo é encontrar um estilo de comunicação mais eficaz que conecte essas duas comunidades em um maior senso de harmonia para alcançar um objetivo comum ao definir o futuro do trabalho e reimaginar os negócios do futuro.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: