Apresentado por       

Uso de etanol no Brasil evitou emissão de 556 mi toneladas de CO2 desde 2003, diz Unica

A cana-de-açúcar é a principal matéria-prima do biocombustível no Brasil.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

O etanol proporciona uma redução de até 90% na emissão de gases de efeito estufa em relação à gasolina

Acessibilidade


O uso de etanol no Brasil evitou a emissão de mais de 556 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera entre março de 2003, quando foi lançada a tecnologia flex, e abril deste ano, indicou pesquisa divulgada hoje (2) pela Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar).

O volume é equivalente às emissões anuais somadas de Argentina, Venezuela, Chile, Colômbia, Uruguai e Paraguai, disse a Unica, que realizou o levantamento com base na metodologia de aferição de emissões estabelecida pelo RenovaBio e em dados publicados pela ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

LEIA MAIS: Produção de etanol do Centro-Sul cai menos que a açúcar, com vendas do combustível em alta

As cifras levam em conta tanto o consumo de etanol hidratado, a versão comum do biocombustível comercializada nos postos, quanto de etanol anidro, utilizado na mistura obrigatória à gasolina no país.

A entidade destacou que o etanol proporciona uma redução de até 90% na emissão de gases de efeito estufa em relação à gasolina. Além da produção direta do combustível, a cadeia também utiliza seus subprodutos para geração de bioeletricidade.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A cana-de-açúcar é a principal matéria-prima do biocombustível no Brasil, embora haja também uma ascensão da indústria de etanol de milho no país. O Brasil produziu 35,6 bilhões de litros do biocombustível na temporada 2019/20, segundo dados da associação.

“No Brasil, como em nenhuma parte do mundo, temos uma madura indústria de combustíveis renováveis, que vem contribuindo ano após ano para a redução da emissão de gases de efeito estufa”, disse em nota o presidente da Unica, Evandro Gussi.

“A pandemia da Covid-19 reforçou a urgência de tomarmos medidas efetivas de combate às mudanças climáticas”, acrescentou.

A cana-de-açúcar responde por 19,1% de toda a oferta primária de energia no país, e por 39,5% de toda a energia renovável, completou a associação, citando dados da estatal EPE (Empresa de Pesquisa Energética).

Alguns países, como a Índia, têm buscado fomentar o uso de etanol para reduzir emissões.

O país asiático antecipou de 2025 para 2023 a possibilidade de empresas de combustível venderem gasolina contendo E20 (20% de etanol), de acordo com corretores e uma publicação de hoje no diário oficial do país. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: