Apresentado por       

Empresa pretende transformar o Parque Ibirapuera em aterro zero até 2025

Projeto também envolve outras medidas sustentáveis, como a reutilização da água das chuvas e eficiência energética com captação da luz solar

Mateus Omena
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/Urbia
Divulgação/Urbia

Lago do Parque Ibirapuera, em São Paulo

Acessibilidade


A Urbia, empresa responsável pela gestão do Parque Ibirapuera e outros cinco parques na capital paulista, vai implantar um projeto de aterro zero até 2025 a fim de garantir o descarte correto dos resíduos e evitar que sejam enviados aos aterros sanitários. A meta da companhia faz parte das iniciativas ambientais do Eco 360, projeto que engloba as diretrizes sustentáveis da concessionária para os próximos anos.

Para conseguir alcançar esse objetivo, desde que assumiu a administração do Parque Ibirapuera, em outubro de 2020, a Urbia desenvolveu um Plano de Gerenciamento de Resíduos que contempla todos os tipos de sedimentos do local. O documento prioriza a não geração de resíduos, além de esforços para a redução, reciclagem e ressignificação.

LEIA TAMBÉM: Estados da Amazônia Legal negociam investimentos internacionais contra o desmatamento

Foram coletados 1.744.568,9 kg de resíduos nos seis meses iniciais da concessão, entre eles: metal (8.107,8 kg), plástico (9.786,5 kg), papel (4.583,9 kg) e vidro (2.179,5 kg que foi reciclado em sua totalidade). A reciclagem do plástico gerou uma economia de 1.270 kg de petróleo, já a do papel poupou aproximadamente 50 árvores.

Outra destinação encontrada pela empresa para esses resíduos de manejo da própria flora do Ibirapuera foi por meio da delimitação de espaços em círculos no gramado da Praça da Paz, criados para incentivar o distanciamento social de maneira sustentável.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com relação ao solo, nesses primeiros seis meses, a Urbia promoveu a descompactação, recomposição e plantio de gramado em mais de 22 mil metros quadrados no Ibirapuera. O plano da concessionária inclui também o reaproveitamento de mais de 30 mil m² de áreas que hoje são concretadas e asfaltadas para que sejam solos permeáveis, que possam atuar como esponjas para a água da chuva e evitar o acúmulo na superfície. Após essas intervenções, a empresa vai instalar um sistema para captação de água das chuvas a fim de reutilizá-la, em especial, para irrigação e limpeza das áreas externas do parque.

A Urbia realiza ainda análises trimestrais dos parâmetros das águas dos lagos do Ibirapuera para constatar a evolução da sua qualidade. Por outro lado, no setor de energia, a empresa projeta novos sistemas para a captação de energia solar. Mais de cinquenta câmeras de monitoramento já operam por meio de energia solar. Em um futuro breve, a companhia vai instalar uma tecnologia capaz de gerar iluminação e ventilação natural por meio da energia que é captada pelo sol, proporcionando uma excelente eficiência energética.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: