Apresentado por       

Fabricante de chips TSMC mira emissão zero de carbono até 2050

Empresa reconhece que "mudanças climáticas têm um impacto severo no meio ambiente e na humanidade".

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Ann Wang/Reuters
Ann Wang/Reuters

A TSMC afirma que está “profundamente ciente de que as mudanças climáticas têm um impacto severo no meio ambiente e na humanidade”

Acessibilidade


A TSMC (Taiwan Semiconductor Manufacturing), maior fabricante de chips para terceiros do mundo, disse hoje (16) que pretende atingir emissão de carbono líquida zero até 2050, dentro do plano anunciado pela presidente da ilha, Tsai Ing-wen, em abril.

“A TSMC está profundamente ciente de que as mudanças climáticas têm um impacto severo no meio ambiente e na humanidade. Como líder mundial de semicondutores, a TSMC deve assumir sua responsabilidade para enfrentar esse desafio”, disse o presidente do conselho de administração da empresa, Mark Liu, em comunicado.

LEIA TAMBÉM: WhatsApp lança busca de empresas dentro do aplicativo

A empresa, que tem Apple e Qualcomm entre seus principais clientes, “definirá medidas de mitigação” e adotará ativamente o uso de energia renovável, acrescentou.

A TSMC disse que estabeleceu uma meta de curto prazo de crescimento zero das emissões até 2025.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A TSMC continuará avaliando e investindo em todos os tipos de oportunidades para reduzir as emissões de carbono.”

Tsai disse em abril que o governo de Taiwan começou a avaliar como a ilha pode chegar a zero emissão de gases de efeito estufa até 2050, depois que grupos ambientais criticaram o governo por não fazer o suficiente para combater as mudanças climáticas.

A meta anterior de Taiwan, definida em 2015, era reduzir as emissões pela metade até 2050.

No ano passado, o carvão forneceu 45% da eletricidade de Taiwan, com o gás natural liquefeito (GNL) em segundo lugar, com quase 36%, de acordo com o ministério da economia.

A contribuição do carvão para o mix de energia de Taiwan deve cair para menos de 30% até 2025, com a proporção de GNL subindo para cerca de 50% e as energias renováveis ​​para 20%, de apenas 5,4% no ano passado, de acordo com planos do governo.

No ano passado, o Greenpeace pediu que Taiwan seja muito mais agressiva no combate às mudanças climáticas, em face dos riscos da ilha subtropical decorrentes do clima extremo e da elevação do nível do mar. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: