Apresentado por       

Mata Atlântica possui apenas um quarto da sua cobertura florestal preservada

Dado inédito foi obtido pelo MapBiomas a partir de imagens captadas por satélites entre 1985 e 2020 .

Maria Laura Saraiva
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Lucas Ninno/GettyImages
Lucas Ninno/GettyImages

De acordo com os registros, os 465.711 km² remanescentes do bioma estão espalhados por 17 estados brasileiros

Acessibilidade


Responsável por abrigar mais de 70% da população brasileira, a Mata Atlântica possui apenas um quarto da sua cobertura florestal preservada. O dado é inédito e foi obtido pelo projeto ambiental MapBiomas através de imagens de satélite captadas entre 1985 e 2020. De acordo com os registros, os 465.711 km² remanescentes do bioma estão espalhados por 17 estados brasileiros, três a mais do que a mata de área contínua.

Além disso, o mapeamento da Mata Atlântica também mostrou que, nos últimos 35 anos, a cobertura florestal do bioma passou de 27,1% para 25,8%. Hoje, 25% da área total da Mata é ocupada por pastagens, enquanto 16,5% é destinada para mosaicos de agricultura e pastagens, enquanto 15,% serve exclusivamente para agricultura e 10,5% para formações savânicas.

LEIA MAIS: Empresas lançam plataforma para monitorar desmatamento na Amazônia

Apesar da redução de 1,3% da cobertura florestal indicar uma forte estabilidade na preservação do bioma nas últimas décadas, a entidade faz um alerta sobre a realidade da situação. Segundo os pesquisadores, esse número é o resultado da perda de florestas maduras e da regeneração de matas jovens. Sobre isso, os dados mostram que desde 1985, a perda de vegetação primária foi de 10 milhões de hectares, enquanto a vegetação secundária ganhou 9 milhões.

“A aparente estabilidade da cobertura florestal da Mata Atlântica é enganosa porque existe uma diferença de qualidade entre uma mata madura, rica em biodiversidade e com carbono estocado, de uma área em recuperação”, alerta Marcos Rosa, coordenador técnico do MapBiomas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A imagem captada pelos satélites também mostrou que a situação não é uniforme entre os estados brasileiros. Na Bahia, por exemplo, a perda de formação florestal nos últimos 35 anos chegou a 9.642 km². Já no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, a redução alcançou a marca de 6.899 km² e 6.359 km², respectivamente.

A situação das bacias hidrográficas do bioma também deixaram os pesquisadores em alerta. Eles deduzem que a perda de cobertura vegetal nessas regiões pode ter prejudicado o volume hídrico de rios e lagos importantes para o abastecimento de centros urbanos. Nesse cenário, a bacia mais prejudicada foi a do Paraná, que teve sua cobertura nativa reduzida de 24% em 1990 para 19% em 2020, seguida pela bacia do Rio Grande, que também teve uma leve oscilação negativa de 21% para 20% em 2020.

“O planejamento da recuperação florestal da Mata Atlântica de acordo com as bacias hidrográficas é uma enorme oportunidade para gestores públicos. Como metade da vegetação nativa da Mata Atlântica está em áreas privadas, políticas como a de pagamento por serviços ambientais e a criação de corredores assumem papel estratégico para a recuperação e conservação do bioma”, sugere Rosa.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: