Apresentado por       

Multinacional vai explorar o uso de algas marinhas como fonte alternativa de fibra para papel e embalagem

DS Smith planeja fabricar produtos 100% reutilizáveis ou recicláveis até 2023 .

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Brent Durand/Getty Images
Brent Durand/Getty Images

Floresta de algas na Ilha Catalina, Califórnia

Acessibilidade


A multinacional de embalagens DS Smith negocia com várias empresas de biotecnologia para explorar o uso de algas marinhas em uma variedade de produtos de embalagem, como caixas de papelão, papel de embalagem e bandejas de papelão.

A empresa está explorando ainda se as algas marinhas poderiam atuar como um revestimento de barreira para substituir as embalagens à base de petróleo usadas para proteger itens perecíveis.

LEIA TAMBÉM: Empresas lançam plataforma para monitorar desmatamento na Amazônia

Thomas Ferge, diretor de desenvolvimento de papel e cartão da DS Smith, disse: “Como líder em sustentabilidade, nossa pesquisa em fontes alternativas de matéria-prima e fibra tem o potencial de ser uma verdadeira virada de jogo para nossos clientes e consumidores que desejam cada vez mais produtos fáceis de reciclar e com um impacto mínimo no meio ambiente”.

“A alga marinha é um dos muitos materiais naturais alternativos que estamos examinando de perto e, embora a maioria das pessoas provavelmente a associe à praia ou como ingrediente de sushi, ela pode ter algumas aplicações interessantes para ajudarmos a criar a próxima geração de produtos sustentáveis de papel e embalagem.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O uso de algas marinhas na fabricação é um mercado em expansão, com a indústria europeia de algas marinhas prevista para criar mais de 115 mil empregos e valer mais de £ 8 bilhões até 2030, de acordo com a DS Smith.

O projeto de algas marinhas faz parte do programa de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) e de Economia Circular de £ 100 milhões da DS Smith focado na produção de fibras naturais trabalhando com palha, cânhamo e fontes incomuns, como resíduos agrícolas.

A DS Smith está focada em proteger os recursos naturais e reduzir o desperdício e a poluição por meio de soluções circulares para liderar a transição para uma economia circular.

VEJA MAIS: Climate Action 100+ define novas expectativas para que setor de alimentos e bebidas amenize danos ambientais

A empresa planeja fabricar embalagens 100% reutilizáveis ou recicláveis até 2023 e pretende ter todas as suas embalagens recicladas ou reaproveitadas até 2030. (com Climate Action)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: