Apresentado por       

Tecnologia de nuvem pode salvar raposa Darwin da extinção no Chile

Chamado de “Guardians”, sistema atua no monitoramento de ameaças à espécie na cordilheira Nahuelbuta .

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
René Vega
René Vega

Chamado de “Guardians”, sistema atua no monitoramento de ameaças à espécie na cordilheira Nahuelbuta

Acessibilidade


A Huawei, provedora de soluções de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação), está usando seus recursos tecnológicos para salvar a raposa Darwin da extinção. Nativa do Chile, a espécie vive ameaçada pelo desmatamento na cordilheira Nahuelbuta, localizada na região sul do país. Atualmente, estima-se que sobraram apenas 1000 animais da espécie na natureza.

Na tentativa de alterar esse cenário, a empresa lançou em agosto o projeto “Guardiões da Floresta”, uma iniciativa que visa proteger a raposa através de informações da rede e da nuvem. Para isso, o sistema utiliza os “Guardians”, ferramentas de monitoramento acústico que acompanham o animal e reportam possíveis ameaças, como tiros e motosserras.

LEIA MAIS: Pesquisador brasileiro desenvolve sistema que prevê focos de queimada com 85% de precisão

Criado em parceria com o Ministério do Meio Ambiente e a Superintendência do Meio Ambiente do Chile, além do grupo Ética de los Bosques, especializado na preservação de florestas, e a ONG Rainforest Connection, que combate o desmatamento, o projeto conta com cinco Guardians movidos a energia solar. Juntos, eles cobrem uma área de 30 quilômetros quadrados durante todos os dias da semana, 24 horas por dia. Uma vez coletados, os dados são enviados para a Huawei Cloud, onde serão analisados por mecanismos de inteligência artificial. Caso alguma ameaça seja detectada, as autoridades são reportadas para gerenciar a situação.

De acordo com Bernardo Reyes, diretor da entidade Ética de Los Bosques, a raposa Darwin faz parte da cadeia alimentar de muitas espécies nativas da cordilheira, fazendo com que a sua presença seja essencial para o equilíbrio da região. Além disso, ela é considerada uma “espécie guarda-chuva”, termo que se refere a animais que demandam uma vasta área preservada para sobreviverem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O status populacional da raposa de Darwin é um indicador da saúde de todo o ecossistema de Nahuelbuta. Ela é uma espécie de guarda-chuva da condição de toda a rede de mamíferos associados que vivem naquele espaço, como o pudu, o puma e o gambá”, explica.

Essa não é a primeira iniciativa da Huawei em defesa da biodiversidade. Desde 2019, a empresa atua ao lado da ONG Rainforest Connection para promover o uso de tecnologias de nuvem e de IA em prol da defesa dos ecossistemas. Até hoje, já foram instalados sistemas Guardians em florestas tropicais, montanhas e oceanos.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: