Desmatamento de 2020 eleva as emissões de gases de efeito estufa do Brasil em 9,5%

O aumento do desmatamento colocará o Brasil em desvantagem nas negociações climáticas na COP26.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Vista aérea mostra rio e terreno desmatado perto de Porto Velho, no Estado de Rondônia

Acessibilidade


As emissões de gases de efeito estufa do Brasil aumentaram 9,5% em 2020, em grande parte devido ao aumento do desmatamento na Amazônia durante o segundo ano do governo do presidente Jair Bolsonaro, disse um relatório publicado hoje (28) por especialistas em mudanças climáticas.

Enquanto a maioria dos países gerou menos emissões de carbono durante a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus, o Brasil emitiu 2,16 bilhões de toneladas de gás carbônico equivalente (GtCO2e) em 2020, contra 1,97 bilhão em 2019, de acordo com o estudo.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Descontando a remoção de gases de efeito estufa por florestas secundárias e áreas protegidas, as emissões líquidas brasileiras aumentaram 14% no ano passado, para 1,52 GtCO2e, de acordo com o SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa), mantido pelo Observatório do Clima.

“Continuamos com o desmatamento dominando nossas emissões brutas e, o pior, com tendência de alta nas emissões no ano em que deveríamos começar a cumprir as metas do Acordo de Paris”, disse Tasso Azevedo, coordenador do SEEG.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O aumento do desmatamento colocará o Brasil em desvantagem nas negociações climáticas na COP26, que começa no domingo em Glasgow, disse o secretário-executivo do Observatório do Clima, Marcio Astrini.

“O Brasil conseguiu a proeza de ser talvez o único grande emissor que poluiu mais durante o primeiro ano da pandemia”, disse.

O Brasil vai ampliar suas metas do Acordo de Paris na COP26, ao tentar recuperar a credibilidade de suas políticas ambientais, antecipando para 2050 a meta de neutralidade de carbono, ou emissão líquida zero.

Em uma cúpula do Dia da Terra organizada em abril pelo presidente dos EUA, Joe Biden, Bolsonaro prometeu acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. Mas ele continua a insistir na mineração comercial e na agricultura na floresta, inclusive em terras indígenas protegidas.

Ativistas ambientais alertam que as metas climáticas anunciadas estão em desacordo com o que está acontecendo agora na Amazônia, com as autoridades fechando os olhos para o corte ilegal de madeira e o garimpo, o que tem empurrado a maior floresta tropical do mundo em direção a um possível ponto de inflexão. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: