Publicação de Elon Musk se torna viral em meio a confronto com Programa Mundial de Alimentos

Bilionário doaria US$ 6 bilhões se ONU explicasse como utilizaria fundos no combate à fome.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Elon Musk afirmou que doaria US$ 6 bilhões caso PMA explicasse como usaria fundos no combate à fome

Acessibilidade


Conhecido por desencadear debates no Twitter, Elon Musk foi o centro das especulações no Weibo hoje (2) após o CEO da Tesla postar um poema no site chinês que alguns consideraram uma extensão de seu confronto com o Programa Mundial de Alimentos da ONU.

Musk e o chefe do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, têm se envolvido em um debate acalorado desde que Beasley desafiou os bilionários na semana passada a dar mais de sua riqueza para acabar com a fome. Musk rebateu dizendo que venderia US$ 6 bilhões em ações da Tesla e doaria ao PMA, desde que a organização revelasse mais informações sobre como gastou seu dinheiro.

LEIA TAMBÉM: COP26: Brasil e mais de 100 países prometem acabar com desmatamento até 2030

Em suas contas oficiais no Twitter e no Weibo, Musk escreveu em inglês “Humankind” antes de postar uma versão abreviada do ‘Verso dos Sete Passos’ em chinês.

O poema altamente metafórico descreve a relação entre dois irmãos de uma família real durante o período de guerra dos Três Reinos, que é ensinado em todas as escolas primárias da China sobre a importância de se dar bem.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Após o poema, Musk fez uma postagem no Weibo sobre o PMA, reafirmando seus tuítes anteriores de que se a organização puder “explicar com precisão como mais de US$ 6 bilhões resolverão o problema da fome global, imediatamente venderei as ações da Tesla e depois doarei”.

As discussões sobre como interpretar as postagens de Musk tiveram forte acompanhamento no Weibo hoje (2), recebendo mais de 100 milhões de visualizações. O Twitter está bloqueado na China continental. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: