Você aguenta investir em negócios de impacto e ESG em 2022?

Com a sustentabilidade cada vez mais vital para nosso próprio sucesso, investimentos com foco ambiental, social e de governança são o futuro.

Haroldo Rodrigues
Compartilhe esta publicação:
arthon meekodong/Getty Images
arthon meekodong/Getty Images

Investir em ESG e negócios de impacto é a nova receita de sucesso – para o planeta e para o bolso

Acessibilidade


Finalmente chegamos na derradeira curva do ano, o segundo da maior catástrofe do novo século. Cada vez mais aprendemos o valor da direção dos negócios e que mais vale a direção do que a velocidade. Compreendemos de fato o valor que tem o primeiro passo de toda caminhada. E que a natureza das coisas segue sempre o seu compasso.

Humanos, somos mentes curiosas e criativas dedicadas ao progresso. Acreditamos na inovação para ajudar a enfrentar as desigualdades sociais, ambientais e econômicas. Somos guiados por valores que guiam as nossas ações e decisões.

VEJA TAMBÉM: Por que o DNA do investimento ESG é ético e responsável

A sustentabilidade, portanto, tem sido vital. Para nós, negócio de impacto e crescimento lucrativo andam de mãos dadas. A garantia do nosso próprio sucesso futuro se dará criando também um valor agregado duradouro para a sociedade.

Como sócio fundador de uma investidora que tem no seu DNA gerar benefícios positivos, fomentamos valor de longo prazo por meio de nosso negócio principal, ao mesmo tempo em que investimos em modelos que equilibram os aspectos ambientais, sociais e de governança.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ao fazer isso, estamos assumido que a direção do investimento ESG, ético e responsável, é enfrentar os grandes desafios que o mundo de hoje se defronta, como doenças, pobreza, fome, lixo e mudanças climáticas.

Como defensores da ciência e tecnologia, a sustentabilidade é um componente essencial da nossa estratégia. Queremos ter sucesso economicamente e criar valor para a sociedade. Somos observadores da sociedade.

O estilo de vida de consumo descontrolado é a causa raiz dos enormes problemas do mundo de hoje. A geração de resíduos é um bom exemplo.

Resíduos não são mais lixo, mas sim recursos para o nosso futuro. De acordo com o relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde), só os territórios urbanos do mundo geram atualmente cerca de 1,3 bilhão de toneladas de resíduos sólidos por ano e estima-se que sejam cerca de 2,2 bilhões de toneladas em 2025.

Atualmente, práticas de gestão de resíduos nos países de média e baixa renda não são adequadas para garantir o descarte adequado e a higiene ambiental.

VEJA TAMBÉM: Nos investimentos ESG, ignorar a diversidade é atrapalhar os lucros

Os impactos dos resíduos sólidos estão influenciando significativamente a vida humana, contaminando o meio ambiente por meio da emissão de gases de efeito estufa, bioaerossóis, disseminação de organismos potencialmente patogênicos e rápida utilização de recursos.

Mas, de tudo o que 2021 está nos ensinando, nada é mais brilhante do que a pergunta [aliás, inspirada do Nizan Guanaes] que tentamos aqui responder todos os dias desse ano: “Vocês aguentam investir em negócios de impacto e ESG?”. Esta é a pergunta que damos de presente de Ano-Novo: Você aguenta investir em negócios de impacto e ESG?

O investidor sempre tem um objetivo na vida, quando consegue atingir, quer mais e mais. Os negócios têm metas e quer sempre mais e mais. Investir em ESG é dar vida a negócios com objetivos e metas perenes, é ser protagonista da sociedade. É, como diz o Flávio José, compreender que a lagarta rasteja até o dia em que cria asas, que a burrinha da felicidade nunca se atrasa e amanhã ela para na porta da sua casa.

O que desejo a você em 2022, leitor e organizações, é que não desperdice tempo precioso negando um sol nascendo, um mercado emergente, o valor das pessoas e dos seus territórios nos negócios. O sol do ano novo é o ESG.

Haroldo Rodrigues é sócio-fundador da investidora in3 New B Capital S.A. Foi professor titular e diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Universidade de Fortaleza e presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Ceará.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: