Qual é o significado do ESG para os líderes empresariais?

ESG pode significar muitas coisas diferentes, dependendo de quem está dizendo e do contexto em que está dizendo

Forrester
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O ESG agora tem muito mais destaque nas principais discussões estratégicas de todas as empresas

Acessibilidade


Não importa onde você esteja em uma empresa, você provavelmente já ouviu falar em ESG, sigla para ambiental, social e governança. Seus colegas em finanças, jurídico/compliance e risco já ouviram muito sobre isso. E todos nós vamos ouvir muito mais sobre isso nos próximos anos.

Mas ESG pode significar muitas coisas diferentes, dependendo de quem está dizendo e do contexto em que está dizendo, o que leva à confusão.

O que é ESG?

Essencialmente, ESG denota os dados qualitativos e quantitativos que:

Descrevem o status ambiental de uma empresa, características sociais e governança corporativa (portanto, ‘E’ para meio ambiente, ‘S’ para social e ‘G’ para governança)

Refletem a exposição de uma empresa, setor ou investimento e gestão de riscos ambientais, sociais ou relacionados à governança.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os pontos de dados podem variar, mas o Fórum Econômico Mundial e o Conselho de Padrões de Contabilidade de Sustentabilidade fornecem listas comuns.

O significado para as empresas

O interesse em ESG começou com argumentos como os do economista de Harvard Michael Porter de que as empresas (e o capitalismo como um todo) se beneficiam de pensar na geração de valor além do puramente econômico – ou seja, as empresas devem focar sua geração de valor em todos os seus stakeholders (incluindo comunidades, funcionários e clientes), não apenas acionistas ou proprietários.

Essa interpretação mais ampla de valor proporciona competitividade, lucro e saúde comercial a longo prazo, porque reduz o risco e aproveita ao máximo os recursos escassos. Na verdade, foi a comunidade de investimentos que cunhou o termo, pois eles buscaram ampliar sua análise para fatores não financeiros que refletiam riscos materiais ou oportunidades de crescimento – uma análise que chamaram de “ESG” para seus três componentes principais.

Essa compreensão mais ampla da geração de valor penetrou nos escalões da gestão corporativa; até mesmo o berço de Milton “o lucro é tudo” Friedman, a Booth School of Business da Universidade de Chicago, ensina ESG.

O desempenho ESG, as decisões gerenciais que o impulsionam e os pontos de dados que o refletem tornaram-se uma forma de medida de proxy sobre a qualidade da gestão de uma empresa, juntamente com seus dados financeiros. Naturalmente, eles se tornaram uma questão de atenção do conselho, atenção dos líderes e discussões operacionais, com funções, processos e tecnologias de suporte em toda a empresa.

O ESG agora tem muito mais destaque nas principais discussões estratégicas de todas as empresas, especialmente em seus níveis mais altos. Como mostram a batalha pela Exxon no ano passado e pelo McDonald’s agora, essas decisões determinam o futuro das empresas. E o recente post ESG de Elon Musk no Twitter, destinado a menosprezar o termo, revela sua importância mesmo em empresas que resistem à sua influência.

Espere que o ESG se torne mais importante, impulsionado especialmente pelas mudanças climáticas e pelo escrutínio do impacto social do capitalismo, mas também pelos esforços das empresas para buscar vantagem competitiva e diferenciação e o desejo dos investidores de incorporar análises não financeiras para obter melhores retornos.

Compartilhe esta publicação: