Estudo indica que pensar positivo faz bem ao coração

A forma como escolhemos ver a vida pode fazer diferença na nossa saúde

David DiSalvo
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

A pesquisa analisou mais de 4,9 mil pessoas de origem latina e hispânica que vivem nos Estados Unidos

Acessibilidade


Não é fácil manter os pensamentos positivos com as situações que enfrentamos diariamente. A ciência que busca conectar o otimismo à saúde defende a importância de encontrar uma forma de ver o lado bom das coisas. Agora, um novo estudo sobre otimismo e saúde cardiovascular traz novas evidências relacionadas ao tema.

LEIA MAIS: Por que caminhar é essencial para a saúde do cérebro

A pesquisa analisou mais de 4,9 mil pessoas de origem latina e hispânica que vivem nos Estados Unidos. A amostra foi retirada de um relatório maior, chamado Estudo Auxiliar Sociocultural, que explora influências socioeconômicas, culturais e psicossociais na saúde de latinos. Os pesquisadores usaram o documento “Life’s Simple 7”, da Associação Americana do Coração, para avaliar a saúde cardiovascular dos participantes. São sete fatores, que incluem: índice de massa corporal, pressão, glicose no sangue, níveis de colesterol, dieta, exercício físico e uso de tabaco.

O otimismo foi mensurado por meio do teste “Life Orientation Test-Revised” (LOT-R), que reúne uma série de perguntas com o objetivo de descrever a perspectiva de uma pessoa sobre a vida. Por exemplo, se ela espera o melhor em tempos de incerteza ou se espera que aconteçam mais coisas boas do que ruins. As respostas recebem notas de seis (menos otimista) a 30 (mais otimista).

Os resultados indicam os benefícios de ver o copo meio cheio, o que mostra a forte relação entre maiores níveis de otimismo e melhor saúde cardiovascular. “A correlação entre otimismo e saúde cardiovascular foi consistente em grupos de mesma origem, independentemente de idade, sexo ou nível de aculturação”, diz Rosalba Hernandez, professora de trabalho social na Universidade de Illinois.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Como esse foi um estudo observacional, é importante reconhecer que os resultados não provam causa e efeito. Mas a correlação é significativa, além de estar na linha de estudos anteriores que descobriram essencialmente o mesmo: a perspectiva mental positiva é, no mínimo, uma vantagem quando se trata de saúde cardiovascular.
VEJA TAMBÉM: Jeff Bezos, Warren Buffett e Jamie Dimon se unem para entrar no segmento de saúde

Uma possível explicação é que ser mais otimista pode deixar as pessoas predispostas a buscar maneiras de melhorar a saúde, como praticar exercícios físicos mais frequentemente e pensar melhor nas escolhas alimentares. E os benefícios de uma saúde física melhor, como mais energia ao longo do dia, pode levar a uma perspectiva otimista.

Os pesquisadores reportaram que os indivíduos com maiores níveis de otimismo “tendem a ser mais velhos, casados ou morando com um parceiro, com melhor educação acadêmica e com melhor condição econômica”.

Além dos benefícios ao coração, estudos anteriores também ligam o otimismo a melhor saúde mental, pois, aparentemente, pensar positivo permite que as pessoas se adaptem e lidem melhor com as situações da vida.

Compartilhe esta publicação: