Perfume da Fórmula 1 tem frasco impresso em 3D e custa US$ 10 mil

ReproduçãoForbes
O visionário designer industrial Ross Lovegrove projetou três frascos de perfume de metal impressos em 3D para a Fórmula 1

Resumo:

  • Ross Lovegrove é o visionário designer industrial galês por trás do novo perfume da F1; 
  • Lovegrove, junto com a Designer Parfums, decidiram inovar para criar um produto que transpassasse toda a essência da Fórmula 1; 
  • Foram criados três fragrâncias para a coleção; 
  • Veja abaixo mais detalhes sobre a produção e a entrevista com Lovegrove.

O visionário designer industrial galês por trás de objetos como a cadeira Bernhardt Go, os alto-falantes Kef Muon e o Renault Twin, Ross Lovegrove usa a natureza e seu processo evolutivo e os avanços das tecnologias digitais como inspiração para abordar o design de maneira ambiental. 

Acreditando na convergência de tecnologia, ciência dos materiais e forma orgânica inteligente para criar uma nova estética do século 21, ele agora está revolucionando o setor de perfumes. Após pesquisas contínuas, o pioneiro totalmente em sintonia com o mundo digital em que vivemos hoje projetou três frascos de perfume de metal impressos em 3D para a Fórmula 1, estreando no Grande Prêmio de Abu Dhabi deste ano.

Anteriormente impossível de fabricar, os objetos esculturais cheios de emoção que incorporam o espírito da F1 parecem originados do futuro. Nada assim foi visto antes, pois não podem ser criados por nenhum outro método. “Esses projetos só são possíveis em sua complexidade por meio dessa nova tecnologia: impressão 3D aditiva”, observa Lovegrove. “O problema é que, entre a impressão metálica de titânio e a variante de aço inoxidável, eles são quase impossíveis de copiar porque são tão complexos, como um carro de F1, por isso é uma forma de design autoprotetora e autodefinida.”

Em vez de adotar uma forma óbvia como a de um carro de F1, Lovegrove se recusou a ser previsível e optou por uma estética que é alta tecnologia refinada, da mesma forma que os carros de corrida mais recentes apresentam o estigma de arte e sofisticação. Cercados por um tipo de exoesqueleto, os frascos de perfume parecem troféus e se relacionam de maneira inteligente com o carro e o motorista de alto desempenho.

Assemelhando-se a um casulo decorado com joias, o Agile Embrace, em titânio banhado a ouro e impresso em 3D, apresenta linhas fortes e fluidas que envolvem o núcleo interno, referenciando como uma estrutura de carro de F1 envolve e protege o motorista com precisão anatômica como um traje de alta costura. Influenciado diretamente pela gaiola de proteção em forma de cockpit em forma de triângulo, envolvendo o motorista que foi dividido e espelhado, o Fluid Symmetry em titânio decapado impresso em 3D utiliza os princípios aerodinâmicos do carro para produzir uma nova bioestética tecnológica para o século 21. Em aço inoxidável impresso em 3D, o Compact Suspension foi projetado como uma estrutura espacial com várias camadas que suspendem o balão interno dentro de um poderoso padrão geométrico.

ReproduçãoForbes
o Agile Embrace, em titânio banhado a ouro e impresso em 3D, apresenta linhas fortes e fluidas

Como um dos principais defensores do design generativo e das tecnologias progressivas, Lovegrove optou pela impressão 3D. Embora a tecnologia seja extraordinária, ao projetar exclusivamente para uma situação, é preciso entendê-la e possuir os recursos intelectuais e computacionais em um estúdio de design e a ligação com as impressoras para poder trabalhar da melhor maneira possível. Anteriormente muito reservada para peças de aeronaves ou naves espaciais ou para as indústrias médica e odontológica de ponta, e não para produtos finais comerciais, a impressão 3D em metal foi usada pela primeira vez no universo do perfume. 

Lovegrove diz: “O que aprendi nesse projeto é que o curso que segui na minha linguagem de design nos últimos 25 anos, que às vezes vai contra o que as pessoas acham legal, está lentamente se tornando realidade como uma estética que pode combinar o status emocional da natureza e o status científico já que  usamos os recursos e inovamos.”

VEJA TAMBÉM: 10 equipes mais valiosas da Fórmula 1

Os frascos de perfume são impressos em 3D por um fabricante na Alemanha. Com Lovegrove trabalhando neste projeto diariamente por quase dois anos, abordando design e engenharia com uma equipe de 12 funcionários constantemente envolvida, a Designer Parfums, sediada em Londres, o abordou do nada. Especializada no desenvolvimento, marketing, fabricação e distribuição global de fragrâncias, incluindo marcas de marcas de grife, estilistas e perfumes de celebridades, incluindo Jennifer Lopez, Naomi Campbell e Ariana Grande, a Designer Parfums e seu cliente F1 escolheram Lovegrove porque estavam plenamente conscientes do valor do design e da associação com um inovador conhecido.

“Estamos alavancando a herança e os princípios do esporte para criar uma marca de fragrância única que mescla uma abordagem altamente legítima ao mundo dos perfumes com os valores fundamentais da Fórmula 1. Ser a primeira marca de fragrâncias a utilizar impressão 3D é uma grande conquista, e esperamos avançar ainda mais nos próximos anos. No futuro, pretendemos oferecer aos consumidores a capacidade de criar seus próprios projetos personalizados”, afirma Dilesh Mehta, presidente e CEO da Designer Parfums.

Fluid Symmetry é o frasco mais leve do conjunto, pesando apenas 290 gramas (15 horas para imprimir). O Compact Suspension chega a 550 gramas (35 horas para imprimir) e o Agile Embrace pesa 860 gramas (24 horas para imprimir). Lovegrove concebeu o frasco de vidro interno contendo o líquido na forma do perfil plano do monocoque que envolve um piloto de F1 e se voltou para o especialista em vidro francês Groupe Pochet (que tem quatro séculos de história trabalhando com os maiores perfumistas) para parceria em sua fabricação, com revestimentos individuais desenvolvidos para cada um dos três modelos.

ReproduçãoForbes
Para o Fluid Symmetry, o balão cinza escuro é sólido e visível como uma forma suspensa por dentro

Para o Fluid Symmetry, o balão cinza escuro é sólido e visível como uma forma suspensa por dentro, enquanto o Compact Suspension exibe revestimentos espelhados que refletem o exoesqueleto para multiplicar a complexidade e mesclar o interior com o exterior. O Agile Embrace examina motivos derivados dos vórtices da turbulência aerodinâmica para criar padrões inteligentes pertencentes à dinâmica oculta da F1.

Os compradores podem escolher entre uma coleção de cinco aromas ricos, amadeirados, intensos, apimentados e sensuais da alta perfumaria unissex, inspirados na energia e emoção da F1, que foram orquestrados por três produtores de fragrâncias alemãs e suíças: Symrise, Firmenich e Givaudan. Ingredientes como bergamota, pimenta-rosa, canela, baunilha, narciso, vetiver e couro se misturam a a notas menos conhecidas como akigalawood, base de pimenta metalizada de Laire, tonkalactona e vulcanina styrax para obter um efeito de borracha queimada.

Quando o perfume acaba, os frascos podem ser substituídos, e Lovegrove prevê que os colecionadores vão manter os exoesqueletos em suas casas como esculturas preciosas. Cada um dos três designs de luxo é vendido por US$ 10 mil e está disponível em uma edição limitada para o próximo ano. No decorrer de 2020, serão criados acabamentos adicionais.

A Forbes falou com Ross Lovegrove aonde os detalhes do projeto.

FORBES: Conte-me sobre sua colaboração com a F1 no frasco de perfume e como você está alterando os códigos de perfume tradicionais.

LEIA MAIS: A fórmula para aumentar em US$ 450 milhões os lucros da F1

Ross Lovegrove: No momento em que você é convidado a criar uma fragrância, pensa na Dior, Kenzo ou Lanvin, mas certamente não pensa na Fórmula 1, então há uma psicologia nisso, uma barreira a ser superada. Acho que eles se saíram muito bem porque trabalharam com perfumistas de primeira linha. Fizeram isso de uma maneira realmente profissional e de alto nível. É um desafio interessante porque não é uma conexão óbvia. O interessante aqui é que você poderia argumentar que estou tentando produzir um design andrógino. É interessante observar um carro de F1 para ver se você acha que é andrógino já que é uma cultura muito masculina. O que tem sido fascinante para mim, como ponto-chave, é que a F1 é um facilitador do progresso: está sempre lidando com níveis elevados de eficiência. Se você voltar um ano ou dois, os carros pareciam X e você pensou que era um carro de F1 que eles passaram uma década tentando aperfeiçoar a geometria, fluidez, aerodinâmica e assim por diante. Você acha que eles chegaram ao design ideal, mas a iteração recente se tornou cada vez mais fluida e orgânica. O que a categoria faz é provar um princípio que venho explorando toda a minha vida como designer, que é o “essencialismo orgânico” e como você cria uma forma a partir de um propósito absoluto como na natureza, ideias que são meu próprio senso instintivo de que otimização poderia ser. Portanto, a F1, para um designer, apresenta muitas informações a partir das quais projetar. É como um estimulante.

F: Por que você aceitou?

RL: Eu sou muito exigente, então só faço qualquer tipo de design se achar que é um desafio e que tenho a chance de dar um nível diferente de contribuição a um setor em particular. Estou tentando me casar com a tecnologia e formar uma maneira realmente nova de trabalhar. Ter uma empresa de perfumes chegando até você não é algo óbvio, mas tive muito sucesso no passado como designer trabalhando para grandes casas como Dior e Narciso Rodriguez, então estive lá, fiz isso e não quero me repetir. Para não repetir, você precisa se mudar para uma nova entrada cultural.

F: Por que você decidiu usar a impressão 3D?

RL: Carol McCann e Parag Vidyarthi, da Designer Parfums, vieram ao meu estúdio há cerca de dois anos e meio. De certa forma, foi uma conversa muito estranha, porque sou inovador. Eu simplesmente deixei ir e conversei com eles de maneira muito aberta sobre haver uma nova maneira de criar na área de perfumes. Eu nem estava pensando quem era o cliente porque eles não me disseram. Eu estava dizendo que adoraria entrar em impressão 3D, para impulsionar uma espécie de revolução neste setor. Era um risco alto, do meu ponto de vista, estar falando dessa maneira em um setor bastante conservador, mas, no final, eles acabaram revelando que o cliente era a F1, por isso, foi uma conexão perfeita. O risco que corri ao falar dessa maneira como designer realmente se transformou em um dos projetos mais progressistas que já desenvolvi nos últimos tempos. É interessante para mim porque tenho uma mentalidade de designer que poderia trabalhar facilmente na produção do carro ou no capacete. Sou muito capaz disso porque estou interessado na física e em como isso gera design e eficiência.

F: Como você escolheu o titânio como material?

RL: Ele se encaixa na filosofia da Fórmula 1 porque é um material avançado e conhecido, muito forte, muito leve. É fenomenal você poder imprimir em 3D um material como esse. É realmente progressivo, mas, ao mesmo tempo, possui propriedades físicas incríveis. O Agile Embrace possui linhas verticais fluidas que fluem da base até a tampa que meio que se move como um exoesqueleto ao redor do frasco de vidro, o que é efetivamente uma metáfora para o motorista, para que ele seja protegido dentro de um envelope metálico externo. Para mim, faz muito sentido que a garrafa esteja suspensa. É provavelmente o mais feminino dos três. Possui revestimento de ouro de 22 quilates diretamente no titânio.

RL: Esse tem uma relação direta com a F1. Há uma espécie de gaiola elevada ao redor do motorista, como um osso da sorte que o rodeia. Uma forma realmente bonita no carro, então eu peguei isso e depois o subdividi. É nesse ponto que você consegue refletir o design e alcançar incríveis dinâmicas de fluidos. A ironia disso é que você recebe algo que está diretamente relacionado aos princípios aerodinâmicos do carro, mas também recebe algo que é um pouco Art Nouveau. Há um espírito emocional delicado muito bom, que é um deslocamento da masculinidade da F1. É uma predisposição, e não um cálculo, que você pegue um elemento do carro e depois o faça fluir. É uma espécie de desenho biológico real. É quase como os esqueletos são, com essa linda fluidez estrutural. É muito arquitetônico de uma maneira avançada.

ReproduçãoForbes
O Compact Suspension exibe revestimentos espelhados que refletem o exoesqueleto para multiplicar a complexidade e mesclar o interior com o exterior

F: Conte-me sobre seu terceiro projeto, o Compact Suspension.

RL: Como o Compact Suspension é mais uma estrutura de espaço, ele se comunica diretamente também. Você está olhando muito dentro do carro, sem o corpo. É literalmente como você cria uma moldura espacial e junta os pontos, por isso, é uma estética fractalizada muito mais forte, e é por isso que deixei esse em aço inoxidável. Quando os imprimem, eles são polidos à mão no exterior para elevá-los a um nível específico. Você tem algo que é projetado no computador com uma mentalidade muito computacional e, em seguida, ele precisa passar por um certo grau de habilidade no final, para que seja interferido pela criação humana, o que é um pouco verdadeiro para a F1 porque cada carro é como um terno sob medida. Ele é realmente adaptadoe por isso levanta a questão do design mais exclusivo, menos números, mas mais exclusividade, mais raridade.

LEIA TAMBÉM: Os chefes de equipe mais bem-sucedidos da F1

F: Quais inovações na tecnologia de impressão 3D foram incorporadas?

RL: Você não tem ideia do que é preciso. Como designer industrial, você deve se comprometer a usar as ferramentas disponíveis no momento em que vive. Não se fabricaria um carro de Fórmula 1 em materiais e processos antigos. É absolutamente estado da arte, e é assim que eu trabalho. Estou interessado em coisas que só podem ser feitas hoje. Se você olhar para o meu trabalho, não poderia fazê-lo no passado. Sou um designer que sempre é convidado a conversar, se houver uma nova tecnologia, o que podemos fazer com ela? Portanto, para aplicá-la nesse caso, em uma espécie de princípio de difusão de alta costura, prêt-à-porter versus alta costura, você tem a oportunidade de explorar esses princípios em um nível muito alto com as peças de alto valor em metal. O metal é bastante difícil de imprimir, mas é o que é usado em tecnologias aeroespaciais e muito avançadas. Quando estive na SpaceX, vi máquinas de impressão 3D que misturam a forma biológica e biomórfica com os princípios básicos da engenharia e, quando esses dois se juntam, se obtém uma estética incrivelmente emocional por um lado, mas por outro, cheio de disciplina científica.

F: Quanto tempo leva para imprimir um frasco em 3D?

RL: Muito tempo. Por ser uma nova tecnologia, é um pouco como a Revolução Industrial algumas centenas de anos atrás. Está em um estado de evolução em si. Muitas vezes, os fabricantes dizem “é assim que fazemos”, e então você pergunta: “tentou de outra forma?” Você poderia imprimi-los de outra maneira, com outra orientação, embalá-los dessa forma ou nessa escala? Se você está alterando milímetros na escala geral do design, otimiza os números que pode obter dentro de uma impressora para imprimir mais. Então, é claro, imprimir metal é um processo mais lento porque é um princípio de fusão que tem um ponto mais alto, o que significa que leva mais tempo para imprimir. Mas o que se obtém é uma elevação radical na beleza e na complexidade. Nascem objetos nunca vistos antes porque não dá para criá-los por outro método. E também é uma revelação no processo. Se olhar atentamente, poderá ver as camadas que não verá em outros objetos. É um pouco como quando você vê uma concha na praia e pode ver as camadas. Portanto, essa singularidade, provavelmente olharemos para trás em 50 anos e acharemos que eles foram os primeiros objetos de consumidor que definiram uma estética para a impressão 3D.

F: Como a sustentabilidade está inserida neste projeto?

RL: Mesmo quando o perfume acaba, não há mudança na maneira como você percebe o frasco, então há um valor contínuo na beleza do objeto. O que eu mais gosto na tecnologia aditiva é que você não enche uma fábrica cheia de frascos e espera vendê-las. Você está produzindo apenas lotes, então não há fabricação estranha, e é por isso que gosto muito de imprimir em 3D. Só se faz o que precisa. É como comida. As pessoas devem cozinhar apenas o que querem comer e não devem jogar nada fora. O frasco de perfume interno é montado por baixo, com um design muito especial, como um O-ring que o protege, para que você possa liberá-lo, retirar o frasco e adaptá-lo. A ideia de modernizar não foi uma reflexão tardia. Estava lá desde o começo.

F: Por que o frasco custa US$ 10 mil?

RL: Vários fatores. Eles são tão únicos. Quando você os vê e os toca, não há nada parecido no mundo, e basicamente você está recebendo cerca de dois anos e meio da minha pesquisa. Está obtendo uma evolução incrível no design e sem mencionar, é claro, os materiais e a tecnologia que usamos para produzi-los. É o quadro geral que os coloca no mesmo nível do carro de F1.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).