Por dentro da nova exposição de Christian Louboutin em Paris

Reprodução/Instagram
A sala Bhutanese Theatre da exposição de Christian Louboutin examina a influência que o Butão teve em seu trabalho com o artesanato tradicional

Uma nova exposição foi aberta em Paris na noite de 24 de fevereiro sobre o trabalho de um dos designers de sapatos mais famosos do mundo. Conhecido pelos modelos com sola vermelha, Christian Louboutin projetou a mostra para exibir seu trabalho dos últimos 30 anos.

O museu La Palais de la Porte Dorée está localizado nos limites do grande parque florestal de Paris, o Bois de Vincennes, a sudeste da cidade. Hoje, é o lar de um aquário instalado em uma sala de exposições dos anos 1930 e parece improvável que o fabricante de calçados de renome mundial realize uma exibição em 11 salas sobre sua paixão, mas, segundo o “New York Times”, o espaço é perto de onde ele cresceu e foi onde o artista viu pela primeira vez um desenho de um sapato.

VEJA MAIS: Christian Louboutin e ex-atleta criam uniforme cubano para a Olimpíada

A exposição é dividida em salas temáticas que mostram suas criações e a inspiração por trás delas. Na La Salle du Trésor, por exemplo, Louboutin compartilha as peças que têm maior significado para ele e apresenta modelos feitos de cristal ou prata. Outra sala, a Bhutanese Theatre, examina a influência que o Butão teve em seu trabalho, especificamente como o artesanato tradicional influenciou seu amor e conhecimento sobre tecidos e cores.

A “Vogue” descreveu a extravagância como uma espécie de regresso às origens do artista, explicando sua jornada de designer de sapatos para as estrelas. Ele registra suas colaborações com David Lynch, assim como com o artista paquistanês Imran Qureshi e a artista de vídeo Lisa Reihana. Além disso, a exposição mostra o que ele disse à publicação ter sido uma performance de holograma da atriz Dita Von Teese, que estava na festa de inauguração.

Curiosamente, ele descreve como seus sapatos são sempre percebidos de maneira diferente por aqueles que os veem. O influente fotógrafo Helmut Newton uma vez olhou para uma coleção de Louboutin e disse que lhe daria o número das melhores dominatrixes de Nova York. Citado no “New York Times”, Louboutin disse sobre o comentário: “Eu simplesmente não estou interessado nisso. Ele foi surpreendido. Este é um insight do meu trabalho para uma projeção de sua própria mente. Eu, quando penso em couro e pregos, penso em Haute Époque (Arte Antiga), do século 17”.

Outra sala, a The Molinier, está cheia do que ele chama de influências britânicas de moda e tecido dos anos 1960 e 1970 na região de Midlands, na Inglaterra. O que pode parecer brega à primeira vista, ele explica, é realmente mais sexual quando você examina os tecidos de perto. Como mostra a exposição, que vai até julho de 2020: “Um sapato tem muito mais a oferecer do que apenas caminhar”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).