Por dentro da nova exposição de Christian Louboutin em Paris

Designer exibe sapatos extravagantes como uma espécie de volta às origens.

Alex Ledsom
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

A sala Bhutanese Theatre da exposição de Christian Louboutin examina a influência que o Butão teve em seu trabalho com o artesanato tradicional

Acessibilidade


Uma nova exposição foi aberta em Paris na noite de 24 de fevereiro sobre o trabalho de um dos designers de sapatos mais famosos do mundo. Conhecido pelos modelos com sola vermelha, Christian Louboutin projetou a mostra para exibir seu trabalho dos últimos 30 anos.

O museu La Palais de la Porte Dorée está localizado nos limites do grande parque florestal de Paris, o Bois de Vincennes, a sudeste da cidade. Hoje, é o lar de um aquário instalado em uma sala de exposições dos anos 1930 e parece improvável que o fabricante de calçados de renome mundial realize uma exibição em 11 salas sobre sua paixão, mas, segundo o “New York Times”, o espaço é perto de onde ele cresceu e foi onde o artista viu pela primeira vez um desenho de um sapato.

VEJA MAIS: Christian Louboutin e ex-atleta criam uniforme cubano para a Olimpíada

A exposição é dividida em salas temáticas que mostram suas criações e a inspiração por trás delas. Na La Salle du Trésor, por exemplo, Louboutin compartilha as peças que têm maior significado para ele e apresenta modelos feitos de cristal ou prata. Outra sala, a Bhutanese Theatre, examina a influência que o Butão teve em seu trabalho, especificamente como o artesanato tradicional influenciou seu amor e conhecimento sobre tecidos e cores.

A “Vogue” descreveu a extravagância como uma espécie de regresso às origens do artista, explicando sua jornada de designer de sapatos para as estrelas. Ele registra suas colaborações com David Lynch, assim como com o artista paquistanês Imran Qureshi e a artista de vídeo Lisa Reihana. Além disso, a exposição mostra o que ele disse à publicação ter sido uma performance de holograma da atriz Dita Von Teese, que estava na festa de inauguração.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Curiosamente, ele descreve como seus sapatos são sempre percebidos de maneira diferente por aqueles que os veem. O influente fotógrafo Helmut Newton uma vez olhou para uma coleção de Louboutin e disse que lhe daria o número das melhores dominatrixes de Nova York. Citado no “New York Times”, Louboutin disse sobre o comentário: “Eu simplesmente não estou interessado nisso. Ele foi surpreendido. Este é um insight do meu trabalho para uma projeção de sua própria mente. Eu, quando penso em couro e pregos, penso em Haute Époque (Arte Antiga), do século 17”.

Outra sala, a The Molinier, está cheia do que ele chama de influências britânicas de moda e tecido dos anos 1960 e 1970 na região de Midlands, na Inglaterra. O que pode parecer brega à primeira vista, ele explica, é realmente mais sexual quando você examina os tecidos de perto. Como mostra a exposição, que vai até julho de 2020: “Um sapato tem muito mais a oferecer do que apenas caminhar”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: