Tequila super-premium Tears of Llorona chega a custar US$ 300 por garrafa

Tears of Llorona/Divulgação

Embora sua tequila super-premium agora seja vendida por US$ 200 a US$ 300 a garrafa de um litro, o mestre destilador Germán González nunca teve a intenção de vender a bebida comercialmente.

Leia mais: Um dos melhores clubes privados de vinho da Europa está prestes a ser inaugurado em Washington

“Eu criei a Tears of Llorona pela primeira vez em 2009 como minha reserva pessoal”, diz ele. “Não foi originalmente planejado para venda, mas simplesmente o resultado de muitos anos de experimentação.”

González diz que gosta de envelhecer a tequila de uma forma que ela não perca o sabor da essência de agave, e, em vez disso, ganhe complexidades interessantes.

“Gostei muito e, em 2013, compartilhei com alguns amigos”, conta. “Eles me encorajaram a vender um pouco para alguns aficionados que conhecíamos nos EUA, e eles também ficaram muito entusiasmados. Por insistência dessas pessoas, importei o resto de minha reserva (algumas centenas de caixas) para os Estados Unidos em 2014.”

Naquele ano, foram produzidas 180 caixas de Tears of Llorona. Desde então, a quantidade produzida anualmente tem sido determinada pela disponibilidade de agaves maduros especiais de alta altitude de Atotonilco, México.

“Todos os agaves que uso para criar a Tears of Llorona são desta região, porque adoro os minerais do solo e os elementos materiais que se refletem no perfil de sabor final”, diz González. “Também devo considerar os períodos de envelhecimento e as diferentes disponibilidades de barris. Vendemos todo o estoque em todos os anos, incluindo nossa maior produção de mil caixas em 2019.”

A terra onde González aprendeu a plantar, cuidar e colher agave foi uma herança familiar que pertenceu a seu trisavô, o general Manuel González Flores.

“Mas a melhor herança que recebemos dele foi sua vitória na Batalha de Puebla em 5 de maio de 1862, contra o formidável exército francês”, diz González.

Naquele dia, o México derrotou o exército francês e conquistou sua independência após uma batalha feroz perto da cidade de Puebla. O general González Flores ajudou a liderar as forças mexicanas à vitória, mas levou um tiro no cotovelo direito, forçando os médicos a amputar seu braço. Em homenagem ao general, que passou a ser presidente do México, é costume, diz Germán González, beber a Tears of Llorona com a mão direita.

O pai de González, Guillermo Gonzalez Diaz Lombardo, começou as plantações de agave azul de Tamaulipas em 1966, então uma nova região para tequila no México. Em 1972, ele construiu sua própria destilaria com o apoio de Guillermo Romo no centro-leste do país, longe de Tequila, Jalisco.

A destilaria criou as tequilas Chinaco e Caliente e começou a distribuição para os EUA em 1983.

Leia também: Por que o Rolls-Royce Phantom elétrico é a nova cara do luxo pós-opulência

“Quando nosso importador solicitou a aprovação do rótulo, eles tiveram que explicar o que era a tequila super-premium ao Bureau of Alcohol, Tobacco, and Firearms, órgão que controlava a importação de bebidas alcoólicas”, disse González. “As duas tequilas criaram a categoria.”

Seu pai lhe ensinou muito sobre tequila, incluindo “trabalhar nos campos de agave e envelhecer a tequila”. González diz que usou o conhecimento e a experiência para criar a Tears of Llorona.

A principal diferença entre a tequila dele e a do pai é o tipo de barril usado para envelhecer. Seu pai envelhecia a tequila em barris de uísque escocês usados. A Tears of Llorona é envelhecida em barris de uísque, conhaque e xerez, “tornando-a um produto muito mais complexo”, diz González.

Ele explica os processos de maturação do uísque, xerez e conhaque. “Depois de fazer a seleção dos agaves do campo, levamos para a destilaria onde são cozidos por 20 horas em autoclave para transformar os elementos do agave em açúcar rico. A fermentação é natural, demorando aproximadamente 72 horas. A primeira destilação, ou deztrozamiento, ocorre em um alambique de aço inoxidável.”

“A segunda destilação, ou retificação, é feita em um alambique de cobre, no qual conseguimos reter os sabores do solo de Atotonilco”, diz González. “O solo é um componente distinto e muito importante na criação da Tears of Llorona. A tequila branca amadurece em barris usados ​​de whisky escocês, conhaque espanhol e xerez simultaneamente e, no final do seu tempo de envelhecimento de cinco anos, eu pessoalmente misturo os diferentes barris.”

Mas como o sabor da Tears of Llorona se diferencia das demais tequilas do mercado?

E também: Ex-executivo do Vale do Silício vira chef com estrela Michelin em Barcelona

“Não tenho certeza se sou a melhor pessoa para responder a essa pergunta”, diz González. “Meus gostos diferem de outros tequileros. Somos pessoas diferentes, com experiências, receitas e técnicas diferentes. Os gostos são muito subjetivos. Meu pai sempre me disse que minha tequila tem que ter o sabor de agave, mesmo que precise ser envelhecida por muito tempo. Fico feliz que um bom número de pessoas concorde comigo e meu pai. ”

Alguns consumidores podem reclamar que o preço de varejo da Tears of Llorona é muito alto. “Entendo, mas é importante saber que cada garrafa de Tears of Llorona leva no mínimo 13 anos antes de chegar ao seu copo”, diz González. “O processo de criação da Tears of Llorona começa com um agave azul do tipo Weber 100% puro, cultivado nas encostas vulcânicas das montanhas mexicanas, onde os agaves crescem lenta e naturalmente para atingir um teor mais alto de amido. Eu inspeciono pessoalmente cada planta antes da colheita. É preciso paciência, e isso antes de eu destilar e envelhecer a tequila por cinco anos.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).