Alfred Cointreau fala sobre o legado da marca francesa

Divulgação
Divulgação

Alfred Cointreau, o heritage manager da marca que leva seu sobrenome

Vai longe o primeiro coquetel mixado por Alfred Cointreau aos 10 anos de idade – uma margarita ensinada por sua avó, ocasião na qual esqueceu de colocar o gelo. Hoje, aos 33 anos, ele ocupa o cargo de heritage manager da marca Cointreau (em 1990, as empresas familiares francesas Rémy Martin e Cointreau se fundiram e deram origem à Rémy Cointreau).

Alfred conversou com a Forbes por videoconferência de sua casa em Angers, a 300 km de Paris. Vejo em seu braço a tatuagem de seu “coquetel favorito”: justamente a margarita. “É a combinação de dois mundos, das culturas europeia e mexicana – e o sal, que amplia os sabores”, explica o representante da sexta geração da família Cointreau.

LEIA MAIS: As 25 marcas de uísque mais vendidas no mundo

Seu papel é manter e difundir o legado da destilaria fundada em 1849 por Edouard Cointreau. De sua geração, ele é o único que escolheu seguir os passos da família: “Os mais velhos sempre nos encorajam a conhecer outras indústrias e descobrir do que realmente gostamos. Se quisermos nos juntar ao negócio da família, isso tem que ser uma escolha pessoal. Meu pai, por exemplo, se interessou a vida inteira por carros vintage e fez da sua paixão o seu trabalho. Já o meu avô ia à destilaria ao menos uma vez por semana até os 90 anos. Ele era apaixonado por isso”.

Reprodução
Reprodução

Fundador Edouard Cointreau

Alfred seguiu os passos do avô. Quando chegou à empresa, em 2010, passou por todos os setores – inclusive na destilaria, onde diz amar estar “pela atmosfera e pelo cheiro das laranjas”. O licor triple sec, que tem sua fórmula original de 1875, por exemplo, é composto por variações de laranjas importadas do Brasil, Espanha, Gana, Senegal e Tunísia. Alfred conta que quem mantém a receita viva é a master distiller Carole Quinton, no cargo desde 2016.

“Mesmo depois de quase dois séculos, continuamos sendo atuais. Cointreau é uma bebida versátil. Na França é mais tomado como um aperitivo, no Japão é utilizado em receitas e nos Estados Unidos faz parte de muitos coquetéis, mais de 350”, comenta.

Divulgação
Divulgação

A destilaria em Angers (França)

Em tempos pré-pandemia, o trabalho de Alfred incluía muitas viagens, nas quais difundia seu conhecimento em bares e para os bartenders: “Eu gosto das conexões humanas. Fui ao Brasil quatro anos atrás e realmente gostei muito da sua cultura”.

De Angers, berço da família e da Maison Cointreau, o jovem compartilha seus lugares preferidos no mundo para – quem sabe, em breve – saborear um bom drinque. E dá a receita do Lucien Gaudin, um coquetel clássico de 1930 para fazer em casa.

RECEITA CLÁSSICA
Lucien Gaudin

Reprodução

O coquetel de 1930 leva o nome de um esgrimista francês que ganhou medalhas de ouro nas Olimpíadas de 1924 (Paris) e 1928 (Amsterdã). Segundo Alfred, é um “twist do Negroni”.

50 ml de gim
20 ml de Campari
20 ml de Cointreau
20 ml de vermute seco

Mexer os ingredientes com gelo e coar.
Servir em taça para martíni.

MEUS BARES PREFERIDOS

Copper Bay, Paris

Divulgação

Licoreria Limantour, Cidade do México

Divulgação

Le Calbar, Paris

Divulgação

Reportagem publicada na edição 78, lançada em junho de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).