Frédéric Arnault, CEO da TAG Heuer, diz que inovação é foco apesar da crise de Covid-19

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Aos 25 anos, Frédéric Arnault está à frente da operação da marca suíça de relógios e acessórios de luxo TAG Heuer

Mesmo com a Covid-19, tem sido um ano agitado na TAG Heuer. A marca tem feito um esforço concentrado para celebrar sua coleção icônica de cronógrafos Carrera no aniversário de 160 anos da empresa, com lançamentos regulares de novos relógios em homenagem à data. Na semana passada, a marca adicionou mais duas edições especiais do Carrera Sport Chronograph 160 Years inspirados no relógio Dato 45 de 1965. Além disso, neste ano, a TAG Heuer nomeou Frédéric Arnault para o cargo de CEO. Com o lançamento dos novos relógios TAG Heuer Carrera Sport Chronograph, tivemos a oportunidade de falar com Arnault sobre ele ser um jovem CEO, os desafios que a TAG Heuer enfrenta devido à pandemia, seu planos para a empresa, os novos relógios e o futuro.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Edição especial Sports Carrera Chronograph 160 Years

Arnault, de 25 anos, foi nomeado CEO da TAG Heuer neste verão, depois de passar três anos como funcionário da empresa. Filho de Bernard Arnault, presidente e CEO do Grupo LVMH, Frédéric foi recentemente diretor de estratégia digital da marca e supervisionou os avanços da linha de relógios e aplicativos Connected. Quando perguntei se a idade representa algo no papel de CEO de uma grande marca, ele fez algumas analogias intrigantes.

VEJA TAMBÉM: Rolex lança modelos repaginados da coleção Oyster Perpetual

“É interessante porque o fundador da empresa, Edouard Heuer, tinha apenas 20 anos quando lançou o negócio, e seu filho, neto e bisneto estavam todos na casa dos 20 anos quando se tornaram CEOs. Gosto de pensar que compartilhamos uma mentalidade empreendedora semelhante, que é –mais do que a idade– essencial para impulsionar a marca”, diz Arnault. “Entrei para a TAG Heuer porque vi um potencial imenso e já colocamos uma série de projetos ambiciosos em movimento: o relógio Connected com nossa própria experiência tecnológica interna e também a transformação digital da empresa –novas experiências online e de e-commerce com uma plataforma de marca redirecionada, novas parcerias e empolgantes lançamentos como o Carrera. Tudo isso, e mais amplamente o desejo de nossa marca no longo prazo, só é alcançado com uma equipe ágil, com diversas idades, nacionalidades e origens, e sou muito grato por todos os diferentes talentos com os quais posso trabalhar.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Frédéric Arnault no evento de lançamento no início deste ano da nova geração do TAG Heuer Connected Watch

É certo que o jovem Arnault assumiu a posição de CEO bem no meio da primeira onda da pandemia, de modo que seu ano de estreia foi repleto de desafios que nenhuma empresa teve de enfrentar antes. Na verdade, a marca –com muitas outras suíças– fechou suas portas (tanto na fabricação como no varejo) por vários meses.

“A Covid-19 afetou claramente o negócio: interrompeu nossa produção por algumas semanas e causou o fechamento das nossas lojas de varejo e atacado. Mas estou muito confiante de que a marca vai sobreviver, mais forte do que nunca. Essas circunstâncias sem precedentes aceleraram tendências no mundo da relojoaria que já eram conhecidas, como o impacto da narrativa digital ou a ascensão do comércio eletrônico. Nossas vendas online cresceram em até quatro dígitos no ano contra ano durante o período em que estivemos de portas fechadas. [As circunstâncias] levaram a práticas novas e mais flexíveis, tanto internamente quanto ao longo da jornada do cliente.”

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

CEO da TAG Heuer assumiu a operação da marca suíça durante a primeira onda de Covid-19

Com as fábricas reabertas de volta ao modo de produção total e lojas em funcionamento ao redor do mundo, Arnault diz estar “cautelosamente otimista” de que as novas práticas digitais, assim como os lançamentos de produtos, ajudem a marca a “fechar bem” o ano e se posicionar para um 2021 forte. Ainda assim, ele diz que tem muito em que se concentrar e que o objetivo principal é garantir o crescimento e a inovação de longo prazo, não apenas no fortalecimento de certos mercados internacionais, mas também na direção e posicionamento do produto.

E AINDA: Da garagem ao pulso: conheça a linha de relógios da Porsche

“O principal desafio é a incerteza no momento, mas estamos nos adaptando e mantendo a agilidade. Temos grandes projetos relacionados a e-commerce, varejo, atendimento ao cliente, comunicação digital, além de um robusto plano de produtos que vai refinar e valorizar nossas coleções”, afirma Arnault. “O objetivo é que a marca ganhe vida de maneiras consistentes e autênticas que retenham nossos clientes existentes e ressoem para novos públicos, gerações mais jovens e mulheres em particular.”

Reprodução/Forbes

Edição especial relógio TAG Heuer Sports Carrera Chronograph om mostrador azul

Naturalmente, o produto é uma das formas mais interessantes pela qual a marca tem buscado mudança, e o foco renovado nos novos Carrera aumentou o interesse do consumidor. Os relógios Carrera 160 Years Special Edition lembram um modelo muito prestigiado de meados da década de 1960. O Dato 45 foi o primeiro relógio de pulso cronógrafo Heuer a apresentar um disco giratório de data. As novas peças também têm o dispositivo de datas na marcação das 12h.

Além disso, os dispositivos abrigam o movimento mecânico Calibre 02 da marca, que oferece impressionantes 80 horas de reserva de bateria. Assim como as duas edições especiais anteriores deste ano (Carrera Silver Dial e Carrera Montreal), eles estão sendo produzidos em uma edição limitada a 1.860 peças –o ano em que Edouard Heuer fundou a marca. Segundo Arnault, além das três edições especiais lançadas neste ano, a marca agregou à coleção uma nova linha de oito peças.

“Acho que a nova linha captura com autenticidade a essência dos modelos anteriores, ao mesmo tempo que oferece aos clientes e colecionadores o melhor da relojoaria contemporânea em uma peça atemporalmente elegante. O novo Carrera herda o espírito de corrida exclusivo e os códigos de design do original, enquanto se volta claramente para o futuro. Acho que a equipe alcançou o equilíbrio delicado entre permanecer fiel à visão de Jack Heuer e continuar a empurrar o Carrera para a frente”, disse Arnault.

Reprodução/Forbes

Edição especial TAG Heuer Sports Carrera Chronograph tem produção limitada a 1860 unidades

“À primeira vista, as peças podem parecer muito familiares. Todos os amantes do Carrera reconhecerão seus princípios básicos de design, simplicidade, legibilidade e modernidade. Cada detalhe, no entanto, foi propositalmente redesenhado, desde os tamanhos e linhas da caixa até a pulseira, incluindo bisel, índices, ponteiros, numerais, fonte e verso da caixa. Também estamos introduzindo novas cores, como o impressionante BGR (verde britânico de corrida) e um sofisticado antracito.”

LEIA AQUI: Patek Philippe revisita modelo de relógio feminino The Twenty-4 com homenagem ao original

Quanto aos planos para 2021, Arnault não quis revelar muitos segredos, mas indicou que outra coleção best-seller estará em destaque no próximo ano. Além disso, podemos esperar ver novas parcerias e colaborações com a marca.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).