Por dentro das fortunas de Alex Rodriguez e Jennifer Lopez: como a separação irá afetar o patrimônio do casal

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Ambos são players importantes nos esportes, na música, em Hollywood e nos investimentos

Alex Rodriguez e Jennifer Lopez anunciaram, oficialmente, o término da relação, provocando a separação de um dos casais mais poderosos e ricos do mundo. A relação, que começou em 2017, exerceu uma popularidade e influência comercial que rivalizava com outras duplas famosas como Jay-Z e Beyoncé e Kanye West e Kim Kardashian (enquanto ainda estavam juntos).

J. Lo, 51 anos, é uma das mulheres self-made mais ricas dos Estados Unidos, com um patrimônio líquido de mais de US$ 150 milhões conquistado através de suas músicas, filmes e patrocínio para vários produtos de moda e beleza. Ao longo de sua carreira de décadas, ela apareceu em quase 30 filmes, lançou oito álbuns de estúdio, promoveu uma série de turnês mundiais (a de 2019 com shows no Egito, Israel e Rússia arrecadou US$ 55 milhões) e ganhou dinheiro com uma residência em Las Vegas. Ela também arrecadou milhões por ano com apoio de marcas como Versace e DSW.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Com 45 anos, A-Rod, um dos melhores atletas de todos os tempos, acumulou uma fortuna de, pelo menos, US$ 400 milhões com base nas estimativas da Forbes. Rodriguez usou seu poder de estrela, rede de líderes empresariais bilionários e cerca de US$ 130 milhões em remuneração líquida (após dedução de impostos, taxas e gastos, e antes de juros compostos) para construir a A-Rod Inc – um portfólio extenso com apostas em startups de tecnologia, arranha-céus de troféus, empresas de construção, empresas de hospitalidade e milhares de residências multifamiliares. “Eu vim de uma condição muito humilde”, diz Rodriguez, cuja família, muitas vezes, foi expulsa dos apartamentos pelo aumento dos aluguéis. “Lembro-me de quando eu era apenas um garoto, ajoelhei-me e orei para que um dia trocasse de lugar com o proprietário.”

Juntos, o casal de celebridades começou a investir seus ganhos astronômicos em um império de marcas, imóveis e investimentos que, se o relacionamento tivesse se mantido, poderia ter feito deles um casal bilionário norte-americano. “Alex me fez perceber como artista, eu era um ativo raro e o mundo dos negócios estava procurando por pessoas como nós para que pudessem construir negócios de bilhões de dólares”, disse Jennifer à Forbes em dezembro. “Ele me deixou confortável em investir meu próprio dinheiro em outras empresas e em mim mesmo.” Isso inclui a linha de cuidados com a pele, JLo Beauty, que teve lançamento online em janeiro, e na Sephora.

O romance acabou, mas as fortunas de A-Rod e J. Lo, provavelmente, continuarão a crescer por conta própria. O casal tem investimentos conjuntos além da JLO Beauty, incluindo imóveis de luxo e startups apoiadas por venture capitals. As duas primeiras empresas de tecnologia, nas quais investiram juntas, abriram o capital no início deste ano, a seguradora Oscar Health e a startup de telemedicina Hims & Hers Partners, em que ela aparece nos anúncios (A-Rod diz que colocou US$ 5 milhões na última, para uma participação que, agora, vale quase US$ 13 milhões).

Mas a maior parte de seus portfólios são em grande parte separados e focados em áreas diferentes (J.Lo em música e patrocínios, A-Rod em imóveis e tecnologia). E como eles nunca foram casados, a divisão dos negócios é mais simples. “Continuaremos a trabalhar juntos e a apoiar um ao outro em nossos negócios e projetos compartilhados”, disse a dupla em um comunicado conjunto.

A-Rod, por exemplo, não perde o ritmo. Esta semana, antes de a notícia do rompimento chegar a Hollywood, Rodriguez chocou o mundo dos esportes, anunciando que ele e o fundador do Jet.com (e ex-executivo do Walmart) Marc Lore estavam em negociações para comprar uma participação majoritária no Minnesota Timberwolves da NBA em um acordo que avaliaria a equipe de basquete em US$ 1,5 bilhão. (Ele e Jennifer lideraram um grupo de investidores em uma oferta mal-sucedida de US$ 1,7 bilhão pelo New York Mets no ano passado.)

Em fevereiro, ele listou sua própria empresa de aquisição de propósito específico (SPAC, na sigla em inglês), a Slam Corp, que começou com o fundador do fundo de hedge Himanshu Gulati. Os investidores deram à Slam US$ 500 milhões – e liberdade para investir o dinheiro em qualquer negócio que ele quiser. Rodriguez é o CEO da Slam e, no estranho cálculo da estrutura da SPAC, pode colher significativas ações (sem arriscar muito capital) se a Slam encontrar uma empresa para comprar.

Rodriguez percebeu cedo que precisava começar a investir. “A carreira no beisebol vai até os 30 e poucos anos, se tiver sorte. Enquanto você está velho para o esporte, mas é uma criança na comunidade empresarial”, diz o ex-atleta, que, seguindo o exemplo de muitos proprietários de equipe da MLB, investiu seus ganhos em propriedades. “Adorei que, à medida que sua carreira de jogador começa a declinar, seus imóveis estão se valorizando.”

Para receber conselhos, ele se apoiou em outros magnatas do esporte e dos negócios, como o ex-jogador da NBA Magic Johnson. “Alex foi o primeiro atleta que conheci que realmente se comprometeu a ser um grande empresário. Ele estava falando sério, então pegamos tudo imediatamente”, diz Johnson, que fez fortuna investindo em esportes, alimentação, entretenimento e imóveis. “É engraçado como somos tão parecidos. Não gravitamos em direção à mediocridade. Queremos ser os melhores, para obter o melhor e fazer o que for necessário para entrar nessas salas com pessoas poderosas que realizaram as coisas que aspiramos.”

Em viagens com os Rangers e os Yankees, Rodriguez se conectava às pessoas mais poderosas da cidade. “A magia me ensinou que quando você for a todas essas cidades, pegue o telefone para ver [se] os principais empresários irão encontrá-lo para almoçar e você ficará surpreso com quantas pessoas dirão sim”, diz o ex-jogador. “O comércio era muito simples. Eles me ensinaram negócios. Eu ensinei beisebol a eles. Foi uma boa troca.”

Por duas décadas, A-Rod colecionou mentores de negócios da mesma forma que fãs acumulam recordações de esportes. Em 2000, depois de saber que a Berkshire Hathaway havia segurado parte de seu contrato de US$ 252 milhões com seu time, o Texas Rangers, A-Rod chamou a assistente de Buffett de longa data Debbie Bosanek. “Eu disse ‘Parece que Warren e eu temos negócios juntos”, disse Rodriguez. A ligação lançou uma amizade de vinte anos.

A-Rod ri ao relembrar como ele lutou para entrar no escritório do dono do bilionário White Sox, Jerry Reinsdorf, pingando de suor, arrastando sujeira laranja do campo atrás dele e ainda usando suas travas de metal após o treino de rebatidas. “Em primeiro lugar, provavelmente eu estava fedendo. Em segundo lugar, nunca falamos sobre beisebol – era tudo sobre negócios.”

Rodriguez impressionou Reinsdorf com seu portfólio inicial e sua vontade de aprender. “Ele estava adquirindo muitos apartamentos na Flórida e eu disse a ele que o cinturão de sol era um bom mercado”, disse Reinsdorf. “Eu também disse que ele deveria tentar adquirir seus ativos relativamente na mesma região geográfica para que seja mais fácil de gerenciar.”

O ex-atleta diz que há uma lição que ele ainda segue. “Jerry disse ‘Alex, se sua ocupação é de 99%, seus aluguéis são muito baixos; 88% significa que o aluguel é muito alto. Você deve estar sempre em torno de 95%. ‘E essa tem sido nossa política nos últimos 15 anos.”

Também há uma ânsia de aprender sozinho. “Em todos os anos que o conheço, Alex nunca apareceu para uma reunião sem um caderno e cinco minutos depois que ele sai eu sempre recebo uma lista de tarefas”, disse Mary Callahan Erdoes, CEO da divisão de asset e wealth management de US$ 3,8 trilhões do J.P. Morgan.

A-Rod investiu grande parte de sua energia e dinheiro em imóveis no sudeste da Flórida, agora em alta. Desde o início, a A-Rod Corp. acumulou uma participação em mais de 14 mil propriedades residenciais multifamiliares e desenvolveu mais de 1 milhão de metros quadrados em imóveis. A maioria dos investimentos é executada por meio da Monument Capital Management, que Rodriguez cofundou em 2012 para se concentrar em empreendimentos multifamiliares. O manual da Monument é comprar propriedades com um desconto de 15% a 25%, reformá-las com sua própria equipe de construção e, após anos de valorização, vender com lucro.

Desde então, lançou quatro fundos, que detêm propriedades no valor de, pelo menos, US$ 270 milhões líquidos de dívidas, de acordo com o provedor de dados Real Capital Analytics. Rodriguez não revelará quanto de seu dinheiro investiu nos fundos da Monument, sua participação na empresa ou na estrutura de taxas da empresa, mas outros dizem que ele está acertando em cheio. “Ele me convenceu a investir em seus fundos imobiliários, que tiveram retornos incríveis – entre os melhores de todos na área”, diz o bilionário de fundos de hedge Daniel Loeb, que o ex-jogador conheceu na Art Basel em Miami há mais de uma década.

O bilionário Jonathan Gray, COO da gigante imobiliária Blackstone, diz: “É claro que ele tem essa atração por imóveis e um instinto muito bom para fazer negócios com imóveis para locação, onde há escassez de moradias de qualidade”.

O fluxo de caixa da Monument criou uma base para apostas mais chamativas. A A-Rod Corp. tem mais de uma dúzia de joint ventures estratégicas, incluindo negócios com o bilionário Barry Sternlicht, da Starwood Capital, a empresa de administração de imóveis Stonehedge e o CGI Merchant Group, com sede em Miami. Para o acordo com o CGI, que foi anunciado em meados de dezembro, Rodriguez está usando sua fama para ajudar a levantar US$ 650 milhões para comprar e desenvolver propriedades hoteleiras em Miami e outras localidades. (Recentemente, anunciou um investimento de US$ 30 milhões no Morris Brown College de Atlanta, com planos de convertê-lo em um hotel de luxo e centro de treinamento).

Mesmo tendo largado o esporte, A-Rod continua tão competitivo quanto em campo. “O que as pessoas não veem é que Alex busca incessantemente ser o melhor”, diz J. Lo. “Uma coisa é querer e outra é realizar o que ele já fez.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).