Charlie Watts, baterista dos Rolling Stones, morre aos 80 anos

Ao lado de Mick Jagger e Keith Richards, o músico gravou hits como "Paint It, Black" e "(I Can't Get No) Satisfaction"

Redação
Compartilhe esta publicação:
Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

O baterista Charlie Watts fez parte dos Rolling Stones desde sua criação em janeiro de 1963

Acessibilidade


Charlie Watts, o baterista dos Rolling Stones, faleceu em um hospital de Londres cercado pela família aos 80 anos, informou seu porta-voz hoje (24).

“É com uma tristeza imensa que anunciamos a morte de nosso amado Charlie Watts. Ele faleceu pacificamente em um hospital de Londres mais cedo hoje cercado pela família”, disse o porta-voz.

LEIA TAMBÉM: Aerosmith e Universal Music assinam acordo de aliança

“Charlie foi um marido, pai e avô querido e também, como membro dos The Rolling Stones, um dos maiores bateristas de sua geração.”

Nascido na capital inglesa em 1941, Watts começou a tocar bateria nos clubes de rhythm and blues londrinos no início dos anos 1960. Ele concordou em unir forças com Brian Jones, Mick Jagger e Keith Richards em seu grupo iniciante, os Rolling Stones, em janeiro de 1963.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Fazendo sucesso no Reino Unido e nos Estados Unidos no início com covers, a banda conquistou fama global com sucessos compostos por Jagger e Richards, como “(I Can’t Get No) Satisfaction”, “Get Off of My Cloud” e “Paint It, Black” e o álbum “Aftermath”.

Watts deixou os tumultos que definiram a banda nos anos 60 e 70 aos outros membros.

No palco, ele também ficava satisfeito de deixar a extravagância a cargo de Jagger e dos restantes enquanto ancorava a apresentação com uma sensação de competência tranquila. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: