13 filmes e séries para assistir no Dia do Médico

Os colunistas de saúde da Forbes indicam suas produções audiovisuais favoritas sobre medicina: de conteúdos sobre prontos-socorros a histórias de superação.

Giovanna Simonetti
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

A série brasileira “Sob Pressão” é uma das produções para conferir neste Dia do Médico

Acessibilidade


Em 18 de outubro, é comemorado no Brasil o Dia do Médico, data relacionada ao dia de São Lucas, considerado nacionalmente o padroeiro da medicina. Além de fundamental para a sociedade, a profissão tem apelo nas produções culturais, atraindo tanto interessados em ver os bastidores (reais ou ficcionais) de hospitais e consultórios como aqueles que querem descobrir mais sobre a ciência envolvida na prática médica. Quem nunca ouviu falar do seriado “Grey’s Anatomy”, por exemplo, uma febre de audiência mesmo depois de 18 temporadas e uma grande rotatividade de elenco? 

Neste Dia do Médico, a Forbes pediu para que seus colunistas de saúde – o psiquiatra Arthur Guerra, a dermatologista Letícia Nanci, o cirurgião plástico Márcio Crisóstomo e o nutrólogo Eduardo Rauen – indicassem produções audiovisuais relacionadas a sua profissão. 

VEJA TAMBÉM: Cinco filmes e séries sobre o mundo jurídico para assistir no Dia do Advogado

O resultado é uma lista que vai desde séries e filmes sobre prontos-socorros a histórias de psicanálise e de superação. Confira na galeria de imagens a seguir:

  • “ER: Plantão Médico”

    Inscreva-se para receber a nossa newsletter
    Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

    Bem antes de “Grey’s Anatomy” e “House”, o seriado de sucesso da década de 1990, com George Clooney como um dos médicos, foi um dos primeiros a retratar o dia a dia de uma equipe do pronto-socorro. Além das filas de macas com pacientes esperando ser atendidos e profissionais se dividindo para atender a todos com a urgência necessária, a produção mostra que um pronto-socorro é composto não só por médicos, mas por assistentes sociais, enfermeiros e atendentes – e que eles muitas vezes trabalham no limite da exaustão.

    Divulgação
  • “Onde está meu coração?”

    A série da Globoplay é uma aula sobre saúde mental, particularmente sobre o problema da dependência. Ao retratar os desafios de uma médica dependente de drogas, o programa busca mostrar que a dependência (seja ela de ativos químicos ou de álcool) pode atingir qualquer um. “O programa presta um grande serviço ao desconstruir o estereótipo do médico como um ser todo poderoso”, diz Arthur Guerra.

    Divulgação
  • “Quase Deuses”

    Baseado em fatos reais, o filme conta a história do norte-americano Vivien Thomas, homem negro que foi contratado como faxineiro de um hospital logo depois da Grande Depressão, em 1929. Ao lado do cardiologista Alfred Blalock, cirurgião-chefe na Universidade Johns Hopkins, ele desenvolveu uma técnica de cirurgia cardíaca inédita – mas, por causa do racismo, o reconhecimento na época não foi o mesmo para os dois.

    Divulgação
  • “Grey’s Anatomy”

    Um clássico sobre o universo médico. Já com 18 temporadas, a série desenvolvida pela produtora Shonda Rhimes é um fenômeno mundial desde 2005, ao contar a história de um grupo de cirurgiões – entre internos, residentes e doutores renomados – em um grande hospital em Seattle, nos EUA. Abordando diferentes áreas da medicina (de neurocirurgia a cardio e ortopedia) e com casos surpreendentes e trágicos, a produção acompanha o dia a dia da médica Meredith Grey e seus colegas – em relações profissionais, de amizade e de amor.

    Divulgação
  • “Um Método Perigoso”

    Com Keira Knightley, Michael Fassbender e Viggo Mortensen, o filme se passa no contexto dos primórdios da psicanálise e mostra a relação de seu criador Sigmund Freud, e Jung, um de seus mais famosos discípulos. Além de abordar questões sobre como eram vistas as mulheres da época, o longa aborda a “cura pela fala” proposta por Freud e o papel do analista de ajudar a dar sentido aos relatos do paciente.

    Divulgação
  • “House”

    Outro clássico entre os seriados médicos, a produção acompanha o cientista Gregory House, especialista em infectologia e nefrologia, que realiza excelentes diagnósticos mesmo mantendo uma postura instintiva, cética e amargurada diante de seus pacientes no Hospital-Escola Plainsboro de Princeton. Segundo Arthur Guerra, a série traz boas lições, especialmente para quem está começando o curso de medicina. “Uma delas é que médicos podem cometer erros – e está tudo bem. Errar faz parte do caminho para o acertar”, comenta. “Outra coisa bacana, especialmente para pessoas que trabalham com saúde mental, é que a mentira muitas vezes é parte do quadro da doença.”

    Divulgação
  • “Patch Adams”

    Protagonizado por Robin Williams, o filme conta a história inspiradora de Hunter Adams, um homem que, após uma tentativa de suicídio, voluntariamente se interna em um sanatório e lá descobre que deseja ser médico para ajudar as pessoas. Logo depois de sair da instituição psiquiátrica, ele entra na faculdade de medicina e conquista todos ao seu redor com métodos poucos convencionais – que misturam amor e carinho.

    Divulgação
  • “Sob Pressão”

    Retrato realista do sistema de saúde brasileiro, a série da Globoplay, já em sua 4ª temporada, acompanha o dia a dia da equipe de emergência de um hospital público no subúrbio do Rio de Janeiro – que precisa se desdobrar para salvar vidas mesmo em uma ambiente precário, com falta de recursos e escândalos de corrupção. Ganhadora de prêmios dentro e fora do Brasil (e indicada para o Emmy Internacional), “Sob Pressão” chegou a lançar no ano passado episódios sobre a realidade da pandemia de Covid-19 nos hospitais do SUS.

    Divulgação
  • “100 metros”

    Disponível na Netflix, o filme conta a história de um executivo diagnosticado com esclerose múltipla que se coloca o objetivo de completar um Iron Man – prova que mistura as modalidades de natação, ciclismo e corrida. “O esporte me mostrou – e por isso eu aposto nele como ferramenta de recuperação de dependentes – que, ao traçar um objetivo, nos movemos para nos superar. Este filme é uma lição de vida para aqueles que acham impossível suplantar coisas ruins”, destaca Arthur Guerra, que também é triatleta.

  • “New Amsterdam”

    O seriado acompanha a rotina do Dr. Max Goodwin, o novo diretor do hospital público mais antigo dos Estados Unidos – o Bellevue, em Nova York. O profissional chega tentando mudar a burocracia do sistema ao mesmo tempo em que busca exercer uma gestão médica mais humanista.

    Divulgação
  • “The Good Doctor”

    Um dos dramas médicos queridinhos do público atual, já na sua 4ª temporada, a série conta a história do brilhante e jovem cirurgião Shaun Murphy, contratado para trabalhar em um renomado hospital dos EUA. O diferencial é que o médico tem autismo, síndrome que dificulta suas interações sociais – e que o faz precisar provar constantemente suas habilidades aos colegas e superiores do hospital.

    Divulgação
  • “Mãos Talentosas: A História de Ben Carson”

    Protagonizado por Cuba Gooding Jr e baseado em uma história real inspiradora, o longa conta a trajetória do neurocirurgião Benjamin Solomon Carson – médico de origem humilde e protestante em Detroit, nos EUA, que com 33 anos se torna um profissional de renome mundial e diretor do Centro de Neurologia Pediátrica do Hospital Universitário Johns Hopkins.

    Divulgação
  • “Chicago Med”

    Já com sete temporadas, a série spin-off de “Chicago Fire” (sobre integrantes do corpo de bombeiros) acompanha o cotidiano caótico dos médicos, enfermeiros e funcionários de um grande hospital dos EUA – desde os cuidados com pacientes de casos graves a dramas pessoais da equipe.

    Divulgação

“ER: Plantão Médico”

Bem antes de “Grey’s Anatomy” e “House”, o seriado de sucesso da década de 1990, com George Clooney como um dos médicos, foi um dos primeiros a retratar o dia a dia de uma equipe do pronto-socorro. Além das filas de macas com pacientes esperando ser atendidos e profissionais se dividindo para atender a todos com a urgência necessária, a produção mostra que um pronto-socorro é composto não só por médicos, mas por assistentes sociais, enfermeiros e atendentes – e que eles muitas vezes trabalham no limite da exaustão.

Compartilhe esta publicação: