Guerra em “Succession”: Logan Roy pode salvar sua fortuna de quase R$ 100 bilhões?

Forbes faz um perfil do personagem principal da série da HBO, que acaba de entrar na terceira temporada, incluindo valores de seu patrimônio

Sergei Klebnikov, Giacomo Tognini e Lisette Voytko
Compartilhe esta publicação:
Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Logan Roy, no escritório de sua casa fictícia nos Hamptons

Acessibilidade


Dias depois que a explosiva coletiva de imprensa de seu filho Kendall deixou o conglomerado de mídia Waystar Royco oscilando à beira do precipício, o patriarca da família Roy vai à guerra contra seus filhos, seus acionistas e, potencialmente, o governo dos EUA.

Foram 48 horas tumultuadas para Logan Roy. O magnata da mídia de 84 anos deu as boas-vindas à Forbes em sua propriedade fictícia nos Hamptons – com valor de R$ 1,1 bilhão (US$ 200 milhões), a propriedade mais cara de Long Island – ainda com o jet lag depois de retornar de uma semana a bordo de seu superiate de 279 pés e R$ 715 milhões (US$ 130 milhões), Solandge, na costa sul da Croácia. Ele esteve no centro das atenções antes da estreia da terceira temporada de “Succession”, o sucesso da HBO sobre sua família, em 17 de outubro. O conselho da Waystar Royco, a gigante de mídia e entretenimento de R$ 253 bilhões (US$ 46 bilhões) (valor de mercado) de capital aberto que ele fundou aos 20 anos. Audiências desastrosas no Congresso recentemente lançaram mais luz sobre um escândalo na divisão Brightstar Cruises da empresa, relatado pela primeira vez pela New York Magazine, que envolveu décadas de delitos, incluindo pagamentos secretos a mulheres abusadas sexualmente por ex-executivos da empresa.

LEIA TAMBÉM: 5 lições de “Succession” para empresas familiares

E então, apenas algumas horas antes de retornar à sede da Waystar em Nova York, veio uma punhalada no coração: uma coletiva de imprensa bombástica de seu filho e ex-herdeiro legítimo, Kendall Roy, acusando-o de encobrir o escândalo Brightstar.

“A verdade é que meu pai é uma presença maligna. Ele estava pessoalmente ciente desses eventos por muitos anos e fez esforços para esconder e encobrir”, disse Kendall Roy, ex-co-diretor de operações da Waystar, na entrevista coletiva. “Meu pai mantém um olhar atento sobre cada centímetro de todo o seu império, e a noção de que ele teria permitido que milhões de dólares em acordos e indenizações fossem pagos sem sua aprovação explícita é totalmente fantasiosa.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Logan Roy admite à Forbes que sua reação imediata à exposição foi um palavrão que não pode ser impresso. Mas o magnata nascido na Escócia permanece destemido: Roy está confiante de que pode provar aos acionistas (e aos federais) que as palavras de seu filho não merecem crédito. Ele está decidido a nomear um novo CEO, encerrando anos de rotatividade no topo. Na verdade, Roy acha que pode levar a Waystar, atualmente a quinta maior empresa de mídia do mundo, a patamares ainda maiores.

  • Reprodução Forbes

    Casa em Southampton – R$ 1,1 bilhão (US$ 200 milhões)
    Construída em 1957 em 17 hectares de terreno, a casa de 1.800 metros quadrados – apelidada de “Palácio de Verão” – tem 12 quartos, 12 banheiros, cozinha gourmet, academia, sala de bilhar e acesso privado à praia, entre outras comodidades

  • Reprodução Forbes

    Casa na Quinta Avenida, em Nova York – R$ 286 mihões (US$ 52 milhões)
    A família Roy comprou esta casa clássica de estilo “beaux-arts” de seis andares em frente ao Metropolitan Museum of Art. Residência principal de Logan Roy, tem grandes salas, formais e familiares, sala de jantar, uma escadaria extensa e um quarto principal palaciano

  • Reprodução Forbes

    Casa em Malibu – R$ 220 milhões (US$ 40 milhões)
    Não se sabe muito sobre a propriedade da família na Califórnia; fontes internas dizem que Logan Roy não sabe que é o proprietário, nem o reconheceria à primeira vista. A Forbes estima o valor do imóvel com base nas vendas recentes de propriedades de bilionários na área

  • Reprodução Forbes

    Castelo Eastnor, na Inglaterra – R$ 55 milhões (US$ 10 milhões)
    O castelo do século 19 (onde Siobhan Roy se casou com o presidente da ATN, Tom Wambsgans) fica em um terreno de 40 hectares e uma propriedade adjacente de 2.023 hectares. O interior inclui um hall de entrada frontal, uma sala de estar gótica com uma “lareira altamente elaborada” e uma biblioteca com um “teto com pinturas das Virtudes e dos Vícios”

Reprodução Forbes

Casa em Southampton – R$ 1,1 bilhão (US$ 200 milhões)
Construída em 1957 em 17 hectares de terreno, a casa de 1.800 metros quadrados – apelidada de “Palácio de Verão” – tem 12 quartos, 12 banheiros, cozinha gourmet, academia, sala de bilhar e acesso privado à praia, entre outras comodidades

“Em três ou quatro anos, restará apenas um legado de uma operação de mídia”, disse Roy, ajustando uma gravata magenta manchada sob um casaco de lã cinza aço enquanto o sol batia em seu cabelo prateado. Olhando além de seu escritório, com painéis de madeira, para os jardins de 17 hectares (42 acres) do lado de fora, ele descreve sua visão para o futuro: “Bem, eu digo, seja como for. A empresa permanece até o último homem que restar. Seremos o conglomerado de mídia número um do mundo.”

O que está em jogo na rivalidade familiar não poderia ser maior. A Forbes colocou sua excelente equipe de investigadores de riqueza fictícia para calcular o patrimônio líquido de Logan Roy, estimado em quase de R$ 100 bilhões (US$ 18 bilhões). A maior parte disso vem de sua participação de 36% na Waystar, no valor de R$ 90 bilhões (US$ 16,4 bilhões). Ele já perdeu uma parte da empresa graças ao divórcio de Lady Caroline Collingwood: a nobre inglesa e mãe de Kendall, Roman e Siobhan possui 3% da empresa, no valor de cerca de R$ 7,7 bilhões (US$ 1,4 bilhão).

Além da participação na Waystar Royco, o império Roy inclui pelo menos R$ 1,9 bilhão (US$ 345 milhões) em imóveis em Nova York, Inglaterra, Malibu e Novo México, R$ 275 milhões (US$ 50 milhões) em aviões e helicópteros, o iate de R$ 715 milhões (US$ 130 milhões) e uma participação de 50% no time de futebol escocês Hearts. A Forbes também estima de forma conservadora que os Roys detêm pelo menos R$ 5,5 bilhões (US$ 1 bilhão) em dinheiro e outros investimentos.

CONFIRA MAIS: Por dentro do superiate de luxo Benetti IJE de 108 metros que acomoda 22 hóspedes

Comentando sobre a extensão do poder de Logan Roy, seu amigo de longa data e ex-COO da Waystar Royco, Frank Vernon, o chamou de “amigo de primeiro-ministros” e “um contador da verdade sobre os presidentes”. O sucessor de Vernon (e filho mais novo de Logan), Roman Roy, foi mais direto: “Ele pode fazer o que quiser. Ele é como uma Arábia Saudita humana.”

  • Reprodução Forbes

    Iate Solandge – R$ 715 milhões (US$ 130 milhões)
    Construído em 2013 e reformado em 2019, este ícone de luxo tem uma piscina ao ar livre, um teatro e uma academia completa, com sauna. O iate também foi o local da mais recente (e explosiva) viagem da família Roy à costa croata, que aconteceu pouco antes de Kendall Roy pousar em Nova York para sua fatídica conferência de imprensa

  • Reprodução Forbes

    Jatos e helicópteros – R$ 275 milhões (US$ 50 milhões)
    A coleção de elegantes jatos particulares da família – todos completos com luxuosas cabines internas, inclui um Dassault Falcon 7X, um Gulfstream V e um Embraer Lineage 1000E. Quando não estão voando na primeira classe em jatos executivos, os Roys usam um serviço de helicóptero particular de luxo para evitar o tráfego local

  • Reprodução Forbes

    Time de futebol Hearts – R$ 55 milhões (US$ 10 milhões)
    A família possui uma participação de 50% neste clube de futebol escocês, depois que Roman Roy comprou por engano o time com o bilionário do Azerbaijão Eduard Asgarov para Logan Roy como um presente de aniversário – que na verdade é um fã de longa data do arquirrival do Hearts, o Hibernian FC

  • Reprodução Forbes

    Tesouros variados
    A Forbes não foi capaz de avaliar todos os ativos, principalmente dois bens valiosos do filho mais velho de Logan, Connor: um aquífero subterrâneo sob suas fazendas com direitos de bombeamento para a água e a genitália de Napoleão Bonaparte, supostamente comprada em um leilão de antiguidades, que, mais tarde, foi dito que pode ser uma farsa

Reprodução Forbes

Iate Solandge – R$ 715 milhões (US$ 130 milhões)
Construído em 2013 e reformado em 2019, este ícone de luxo tem uma piscina ao ar livre, um teatro e uma academia completa, com sauna. O iate também foi o local da mais recente (e explosiva) viagem da família Roy à costa croata, que aconteceu pouco antes de Kendall Roy pousar em Nova York para sua fatídica conferência de imprensa

Nascido em Dundee, Escócia, em 1937, Logan Roy logo deixou sua chuvosa cidade natal e foi para a província canadense de Québec, onde ele e seu irmão Ewan foram criados por seus tios. Ambos eram pequenos empresários – seu tio tinha uma gráfica e tinha alguns painéis publicitários, enquanto sua tia possuía um rebanho de gado – e Logan seguiu seus passos, começando por comprar jornais. Com o tempo, ele transformou isso em um negócio de notícias global com jornais e redes de TV em 50 países.

Mas os problemas começaram em meados da década de 1980, quando Logan estava procurando maneiras de arrecadar dinheiro para expandir seus parques temáticos. Ele recorreu a um empréstimo pessoal de R$ 18 bilhões (US$ 3,25 bilhões) com o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) por meio da holding da família e garantiu-o com suas ações na Waystar. Escondido nas condições do empréstimo estava uma disposição que permitia ao banco buscar o reembolso do empréstimo na íntegra se o preço das ações da Waystar chegasse a R$ 715 (US$ 130) por ação.

Enquanto os bons tempos estavam rolando, essa condição não importava: a expansão de Logan em parques temáticos foi um sucesso financeiro, gerando uma nova divisão lucrativa para a Waystar ao lado de resorts e de seu lado tradicional de notícias, que estava decolando como rede a cabo de direita, ATN, e tablóides lascivos, incluindo o New York Globe, que atraíram milhões de telespectadores e leitores.

“Nós damos a eles um pouco de diversão, um pouco de TV decente para assistir”, diz Roy, rebatendo as acusações de que alimentou a polarização por meio da cobertura inclinada da ATN. “Notícias que falam como eles.”

Em outubro de 2017, a Waystar estava lutando contra o peso do empréstimo, um fato desconhecido para seus acionistas. Então Logan Roy sofreu um derrame e Kendall foi nomeado CEO interino, fazendo com que o preço das ações da Waystar despencasse para R$ 770 (US$ 140) – perigosamente perto da marca de R$ 715 (US$ 130) que permitiria ao ICBC confiscar uma parte considerável das ações da família.

Com a obrigação da dívida se aproximando, Kendall pediu a ajuda de seu amigo de faculdade e investidor de private equity Stewy Hosseini, que injetou R$ 22 bilhões (US$ 4 bilhões) na Waystar enferma em troca de uma participação de 10% e um assento no conselho da empresa. A participação de Hosseini – na verdade proprietário de um conjunto de empresas de fachada de seu patrocinador, o magnata da mídia rival Sandy Furness – agora vale R$ 25,3 bilhões (US$ 4,6 bilhões).

Após o retorno de Logan do hospital para casa – talvez não com saúde plena, se os relatos de sua incontinência urinária no escritório forem verdadeiros – o patriarca recuperou o manto do poder. Kendall revidou, liderando um voto de desconfiança organizado às pressas que desmoronou em uma derrota por 5-4, resultando no banimento dele e de seus três co-conspiradores do tabuleiro.

Enquanto estava no casamento de sua irmã Siobhan Roy no Castelo de Eastnor, a propriedade do século 19 da família no Reino Unido, Kendall então apresentou a Logan uma oferta de aquisição hostil. Apoiada por Hosseini e Furness, a oferta ficou em R$ 770 (US$ 140) por ação pela participação da família, ou cerca de R$ 79 bilhões (US$ 14,3 bilhões). Mas, em uma reviravolta chocante, Kendall retirou publicamente seu apoio à aquisição no último minuto. Hosseini e Furness então lançaram a batalha por procuração que persiste hoje.

“Eu vi o plano deles, e o plano de papai era melhor”, disse Kendall na época. Agora, depois de se retratar publicamente a seu pai, ele tem uma opinião muito diferente sobre a liderança de Logan: “O dinossauro deu um último rugido ao meteoro antes que ele o destrua”, disse ele à Forbes.

Siobhan Roy, de volta para o lado do pai após um breve mandato aconselhando a campanha presidencial do senador democrata (e inimigo mortal de Roy) Gil Eavis, da Pensilvânia, respondeu prontamente ao comportamento parricida de seu irmão: “Às vezes eu acho que você só precisa de um bom velho abate de dinossauros antiquados.”

Não está claro como Logan Roy – ou qualquer outra pessoa, na verdade – pode dar a volta por cima com a Waystar, mesmo se ele sobreviver à investigação da Brightstar Cruises. As jogadas mais recentes de Logan, uma oferta estagnada de R$ 27 bilhões (US$ 4,9 bilhões) por 70 estações de TV locais e uma fusão fracassada de R$ 137,5 bilhões (US$ 25 bilhões) com a empresa de notícias de capital aberto Pierce Global Media, não funcionaram. Nem a aquisição total de ações de Kendall por R$ 770 milhões (US$ 140 milhões) da movimentada marca de notícias digitais Vaulter, que agora é uma fazenda de conteúdo zumbi depois que a equipe editorial foi demitida em massa.

Ainda assim, Logan Roy não se curva. Acossado por acionistas ativistas, críticos externos e agora por seus próprios filhos, ele avança com suas ambições imperiais para a Waystar Royco. Olhando para os capacetes de bronze coríntios dispostos atrás de sua mesa, ele diz: “Mais quatro anos, somos a Procter & Gamble das notícias.”

Kendall na Forbes

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Kendall Roy, filho de Logan, na capa da Forbes

Herdeiro ou desespero? 28 de setembro de 2017
No outono de 2017, havia rumores de que Kendall Roy estaria prestes a suceder seu pai no comando da Waystar Royco. Entusiasmado com a ascensão da mídia digital, o amante do hip-hop “herdeiro com talento” elaborou seus planos para levar a Waystar em uma direção diferente da abordagem de tabloide e de TV do patriarca Logan Roy. “Estamos lutando por olhos, olhos que convertemos em nossa base de clientes, encaixotamos e vendemos aos anunciantes. E o resultado final é que estamos perdendo para os desreguladores monopolistas, [como] a Alphabet, o Facebook ”, disse ele à Forbes na época, usando um terno preto contrastado com tênis Lanvin brancos. “Ainda estamos em posição de alavancar nossas marcas no novo cenário. Mas se não o fizermos, seremos o maior negociante de cavalos em Detroit, 1909”. Com a Waystar agora atolada em escândalos e Kendall Roy como o rosto mais proeminente, que pressiona pela demissão de seu pai, os investidores podem estar se perguntando se eles apostam em um cavalo perdedor.

Metodologia
As avaliações foram baseadas em informações das temporadas 1 e 2 de “Succession”, juntamente com pesquisas do mundo real baseadas em valores imobiliários e preços de ações do mercado. Representantes da HBO e da equipe de produção da série aceitaram as perguntas da Forbes sobre o patrimônio líquido e ativos da família Roy, mas não fizeram comentários até o momento da publicação. Para a avaliação da Waystar Royco, a Forbes usou a média de dois preços de ações mostrados no programa, na 1ª temporada, episódio 3, e na 2ª temporada, episódio 2. Também observamos as referências à participação da família na Waystar e a capitalização de mercado da empresa. Tom Beadle, analista de mídia do UBS, também prestou consultoria sobre a avaliação da Waystar Royco. O valor do iate Solandge foi fornecido por especialistas em avaliação de iates, VesselsValue.

Compartilhe esta publicação: