Morre Nelson Freire, um dos maiores pianistas do mundo, aos 77 anos

Foi intérprete, entre outros, de Chopin, Schumann, Brahms, Rachmaninoff e Villa-Lobos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Osesp
Reprodução/Osesp

O pianista Nelson Freire foi intérprete, entre outros, de Chopin, Schumann, Brahms, Rachmaninoff e Villa-Lobos

Acessibilidade


Um dos maiores pianistas do mundo, o mineiro Nelson Freire morreu hoje (1), aos 77 anos, em sua casa no Rio de Janeiro. As causas da morte não foram divulgadas.

Nascido em Boa Esperança, no interior de Minas Gerais, Freire começou a tocar piano aos 3 anos e pouco tempo depois deixou a cidade natal para se estabelecer no Rio com a família.

LEIA TAMBÉM: 11 melhores lançamentos de livros para conferir em novembro

Foi intérprete, entre outros, de Chopin, Schumann, Brahms, Rachmaninoff e Villa-Lobos, tendo sido regido por importantes nomes da música, como Isaac Karabtchevsky.

Sua trajetória levou-o a ser um dos mais destacados músicos brasileiros, tendo se apresentado nas principais orquestras do mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo o Instituto Piano Brasileiro, Freire é o único artista brasileiro incluído no projeto Great Pianists of the XXth Century, uma coleção de 200 álbuns lançados pela Phillips com apoio da Steinway.

O falecimento do musicista teve repercussão.

“Freire teve trajetória que o coloca entre os mais destacados pianistas de sua geração e entre os maiores músicos brasileiros de todos os tempos. Em sua carreira, estabeleceu parcerias e criou laços de amizade com músicos e regentes em diversos países, conquistando o reconhecimento da crítica e do público em todo mundo”, disse o Itamaraty, em nota.

“Freire se apresentou com as maiores orquestras do planeta, entre as quais a Filarmônica de Berlim, a Orquestra Sinfônica de Londres, a Orquestra Filarmônica de São Petersburgo e a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Muitas de suas apresentações internacionais contaram com apoio do Itamaraty”, completou a chancelaria brasileira. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: