Joan Didion, cronista da sociedade norte-americana contemporânea, morre aos 87 anos

A causa da morte foi a doença de Parkinson.

Da Reuters
Compartilhe esta publicação:
Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

A escritora Joan Didion morreu aos 87 anos de idade

Acessibilidade


A escritora Joan Didion, cujos ensaios, memórias, romances e roteiros relatavam a sociedade norte-americana contemporânea, assim como seu pesar pela morte de seu marido e filha, morreu aos 87 anos de idade.

A causa da morte foi a doença de Parkinson, disse a editora Knopf, que publicava as obras dela, hoje (23), em um comunicado.

LEIA TAMBÉM: Qual é o verdadeiro significado do Natal e Réveillon?

Didion surgiu pela primeira vez como uma escritora de substância no final dos anos 1960 como uma praticante precoce do “novo jornalismo”, o que permitiu que os escritores tomassem uma perspectiva narrativa mais personalizada.

Sua coleção de ensaios de 1968 “Slouching Toward Bethlehem“, um título emprestado do poeta William Butler Yeats, analisava a cultura de sua terra natal, a Califórnia. O título do ensaio oferecia uma visão pouco simpática da cultura hippie emergente em San Francisco e uma resenha do New York Times chamou o livro de “algumas das melhores peças de revista publicadas por qualquer pessoa neste país nos últimos anos”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Didion tinha um ar de glamour casual e frio e em seu apogeu era tipicamente fotografada com óculos escuros de sol de tamanho exagerado ou despreocupadamente com um cigarro pendurado na mão. Ela tinha 80 anos em 2015 quando a casa de moda francesa Celine a usou como modelo em uma campanha publicitária para seus óculos escuros.

A tragédia levou inadvertidamente a um ressurgimento na carreira nos anos 2000, como escreveu Didion sobre a morte de seu marido, o escritor John Gregory Dunne, em “O Ano do Pensamento Mágico”, e da filha Quintana Roo Dunne em “Noites Azuis”.

Os trabalhos de Didion foram perspicazes, confessionais e tingidos de ceticismo. O Los Angeles Times a elogiou como uma “estilista inigualável” com “insights perspicazes e domínio primoroso da linguagem”.

O escritor britânico Martin Amis referiu-se a Didion como a “poetisa do Grande Vazio Californiano” e ela foi especialmente incisiva na escrita sobre o Estado.

“Escrevo inteiramente para descobrir o que estou pensando, o que estou olhando, o que vejo e o que significa”, disse Didion em um discurso em sua alma mater, a Universidade da Califórnia em Berkeley, em 1975.

Sua vida e carreira foram capturadas no documentário de 2017 “Joan Didion: The Center Will Not Hold” por seu sobrinho, o ator-cineasta Griffin Dunne.

Compartilhe esta publicação: