"Não Olhe Para Cima" tem elenco de primeira, mas falta profundidade

Vale a pena assistir? Talvez, mas não espere muito mais que um desfile de astros neste sucesso da Netflix.

Paul Tassi
Compartilhe esta publicação:
forbes

Jennifer Lawrence e Leo DiCaprio são cientistas que tentam mostrar a verdade sobre o fim do mundo

Acessibilidade


A Netflix tem um novo sucesso de público, derrubando uma de suas séries mais populares, “The Witcher”, pouco menos de uma semana desde seu lançamento. O longa “Não olhe para cima” usa o poder de atores que reúnem cerca de 50 indicações ao Oscar para atrair o grande público durante o recesso de final de ano. O filme é do gênio dos quadrinhos Adam McKay, envolvido em clássicos que vão de “Sucession” a “Anchorman” – , e que agora tenta enviar uma mensagem usando o poder de cada estrela que atraiu para seu filme.

Não vou chamar de “política” a forte referência à mudança climática de “Não Olhe para Cima”, já que é quase tão óbvio quanto dizer que o cometa do filme é “político”, mas esse é o ponto principal. Na história, os cientistas Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence ficam cada vez mais frustrados à medida que o governo, a mídia e o público ignoram seus avisos de que um cometa gigante vai atingir a Terra, causando destruição total. A idiotice em massa leva ao desastre inevitável.

Alguns estão chamando tudo isso de “Idiocracia”, o filme, da era moderna, mas acho que é um pouco generoso demais. Apesar do elenco estelar (eu gostei especialmente de Jennifer Lawrence), “Não Olhe para Cima” é mais ou menos a mesma piada contada por mais de duas horas. Os políticos são destruídos ​​(Meryl Streep interpreta a presidente como uma mistura de Hillary e Trump, embora eu acredite que ela tem tendência para a direita), já que dizem que eles estão apenas se concentrando no problema quando é politicamente conveniente. A indústria de tecnologia é destruída e Mark Rylance interpreta um cruzamento de Steve Jobs e seu personagem de construção de metaversos de Ready Player One enquanto suas soluções baseadas em lucro para o problema falham espetacularmente.

A mídia também é destruída (personificada por um programa de notícias “divertido” apresentado por Tyler Perry e Cate Blanchett) por não levar o problema a sério o suficiente. Até mesmo o New York Times é arrastado junto por não cobrir o assunto além do mínimo. Até o público é destruído provavelmente no exercício menos sutil do filme, quando uma mensagem política “não olhe para cima”, transforma-se em uma posição literal, representada por gente com a cabeça enfiada na areia, que ignora a ciência. Tudo a ver com as conspirações atuais sobre Covid e não sobre a mudança climática.

LEIA TAMBÉM: Villas italianas da série “Succession” têm aluguel de até R$ 570 mil por semana

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Até mesmo os cientistas saem chamuscados, no personagem de Leo DiCaprio – que fica famoso e muda de posição. Se ele deveria se parecer com Al Gore, é uma queda bastante brutal.

Mas, novamente, é tudo a mesma piada. Todo mundo está ignorando a ciência por sua própria conta e risco, e quase certamente é tarde demais para agir sobre a questão inevitável que destruirá o planeta e matará milhões. Não é que os pontos do filme estejam incorretos. A mudança climática não recebe a devida atenção e é extremamente tarde para fazer qualquer mudança significativa. Meu palpite é que a mensagem que o filme está tentando transmitir passará por cima das pessoas de quem ele está ativamente zombando, o que torna toda a experiência um pouco condescendente do início ao fim. E vai frustrar alguns dos que estão agindo, jornalistas ou políticos que tentaram tomar medidas significativas sobre o assunto, pois age como se ninguém estivesse fazendo nada.

Existem algumas piadas boas, com certeza. Eu acho que quanto mais bobo o filme fica, mais ele funciona (eu gostei especialmente do papel de chefe de gabinete / primeiro filho, interpretado por Jonah Hill), mas é muito longo e faz a mesma afirmação muitas vezes. Dezenas de vezes. É essencialmente a primeira reunião com o presidente que você vê no trailer reproduzido em loop por mais duas horas.

Vale a pena assistir? Talvez, apenas pelo poder das estrelas, mas não saia esperando nada muito mais profundo. Se você já sabe que a mudança climática é ruim e a ciência é boa, suponho que goste de ver pessoas que não acreditam nisso sendo alvo de zombaria. Se você não acredita que a ciência é boa, você vai ficar bravo com os “liberais de Hollywood” e não vai mudar sua opinião sobre nada. Ou você pode simplesmente passar por tudo sem pensar na alegoria. “Não Olhe para Cima” me lembra menos de “Idiocracia” e mais de “O Primeiro Mentiroso”, de Ricky Gervais, um ataque brutal à religião organizada que, novamente, mesmo que você concorde com a mensagem central, parece bastante irritante e condescendente ao mesmo tempo.

 

Compartilhe esta publicação: