Conheça os sapateiros que mantêm a tradição e manufatura nos EUA

A maioria das empresas de calçados trocou o país por fábricas mais baratas no exterior décadas atrás, mas algumas resistem

Amy Feldman
Compartilhe esta publicação:
Foto: Reprodução Forbes EUA
Foto: Reprodução Forbes EUA

O fundador e CEO da Sabah, Mickey Ashmore, abriu recentemente uma nova fábrica de calçados em El Paso, Texas.

Acessibilidade


Mickey Ashmore fundou a Sabah, que faz sapatos inspirados nos chinelos turcos, depois de ganhar um par tradicional e buscar a melhor fábrica da Turquia que pudesse fazer uma versão mais moderna. Hoje em dia, o fundador e CEO da empresa está animado por ter algo mais próximo de casa: nesta primavera, ele abriu uma nova fábrica de sapatos em El Paso, Texas, para testar novos materiais e estilos para esses calçados – que ele chama de sabahs e babahs – perto de seus consumidores americanos.

A mudança contraria uma tendência de décadas de fabricantes de calçados que se mudaram para o exterior para economizar com custos. “El Paso tem uma longa história de artesanato em couro com botas de caubói e selas”, diz Ashmore, 35, que é texano. “A maneira como você faz uma bota de cowboy é muito semelhante à maneira como você faz um sabah.”

Para ser justo, Sabah, cujo principal sapato é vendido por US$ 195 (R$ 1.035,00), é feito à mão, criando um desafio um pouco diferente daquele enfrentado pelos sapateiros de produção em massa. Mas o movimento é intrigante em um momento em que as discussões sobre relocalização e expansão da manufatura americana para atender aos desafios da cadeia de suprimentos estão na frente e no centro das conversas.

Na Geórgia, outro sapataria familiar, Okabashi, que sempre produziu seus calçados localmente, anunciou recentemente uma expansão de US$ 20 milhões (R$ 106 milhões) para sua própria fábrica americana de 10.000 pés quadrados.

Okabashi, cuja família fundadora é iraniana e já foi proprietária da maior empresa de calçados do Oriente Médio, fabrica seus calçados em Buford, Geórgia, desde a fundação, em 1984. Seus chinelos masculinos e femininos reciclados e botas de chuva para crianças (feitos em parte de soja cultivada nos EUA) são vendidos no Walmart e Target, bem como online.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os movimentos dessas duas pequenas empresas familiares estão em desacordo com a grande maioria da indústria, que saiu em grande parte dos antigos centros de fabricação de calçados americanos, como a Nova Inglaterra. Hoje, cerca de 99% dos calçados vendidos nos Estados Unidos são importados, principalmente da Ásia.

Quando a Rothy’s era muito maior, ela tentou instalar sua operação em uma fábrica de 3.000 pés quadrados no Maine e enfrentou problemas de qualidade ao produzir suas sapatilhas de malha em escala. Então, após um ano de tentativas, a empresa fechou sua fábrica nos EUA e se estabeleceu na cidade industrial de Dongguan, na China, onde agora opera uma fábrica de 300.000 pés quadrados.

Há uma década, Ashmore, que é ex-funcionário de finanças e ex-funcionário da Microsoft, morava em Istambul e se apaixonou pelos talentosos chinelos turcos. De volta a Nova York, ele procurou um sapateiro que pudesse fazê-lo numa versão modificada, com visual mais moderno e materiais de melhor qualidade. Logo ele estava vendendo os sapatos, feitos em uma fábrica com mais de um século em Gazientep, para amigos e amigos de amigos em seu apartamento no East Village, como uma versão muito mais elegante de uma festa Tupperware à moda antiga.

Quando Ashmore começou a procurar uma segunda fábrica nos Estados Unidos, ele considerou Los Angeles e Nova York. Ele não apenas queria mais capacidade, mas a disparada da inflação na Turquia se tornou um risco. “Fazer algo no mercado interno foi um desafio”, diz ele. “Não há mais muita gente fazendo sapatos nos EUA e certamente não é um mercado que está se expandindo”.

Em 2018, ele se estabeleceu em El Paso, cortejado por sua história de artesanato em couro e fabricação de botas. O gerente da nova fábrica é um fabricante de calçados de terceira geração e mestre de ferramentas. “Construí muito do meu negócio com base na intuição. É bom continuar seguindo isso”, diz Ashmore, que continua a gerir o negócio sem financiamento de risco. “Ser informal e não excessivamente métrico é parte da nossa alma e nossos clientes adoram isso.”

Com a nova fábrica de 3.000 pés quadrados, ele espera produzir botas de cano alto que combinem as heranças da Turquia e do Texas, bem como novas versões de seus chinelos existentes com novos materiais e designs. Sua primeira série de chinelos feitos com couro de sela não tingido foi lançada em 11 de junho e esgotou em sete horas, diz ele. Uma segunda leva esgotou rapidamente também.

Novas versões dos sapatos serão feitas de outros materiais além do couro, talvez lona, tecido, veludo ou jeans. “Uma das coisas que mais nos empolga é a capacidade de trazer diferentes tipos de materiais. É difícil trabalhar outros materiais na Turquia”, diz ele.

Enquanto isso, a Okabashi, que tem vendas de mais de US$ 20 milhões, tem como alvo um cliente diferente com suas sandálias feitas de forma sustentável, muitas das quais são vendidas por menos de US$ 20 (R$ 105) em grandes varejistas e na Amazon. A empresa já vendeu um total de mais de 35 milhões de pares de sapatos desde a sua fundação.

Com a nova expansão da fábrica, Irvani prevê dobrar a capacidade de fabricação para “alguns milhões” por ano. “Acho que as pessoas apreciam a produção sustentável nos EUA de uma maneira que não apreciavam nem cinco anos atrás”, diz ela.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: