Entenda por que viajantes continuarão sofrendo com voos atrasados

Ao mesmo tempo em que os pilotos mais velhos estão se aposentando, a indústria também enfrenta uma escassez de novos pilotos

Suzanne Rowan Kelleher
Compartilhe esta publicação:
Farouk Batiche/Anadolu Agency via Getty Images
Farouk Batiche/Anadolu Agency via Getty Images

Alta temporada turística foi marcada por voos atrasados

Acessibilidade


Mais de dois anos depois do início da pandemia de Covid-19, esta deveria ser a temporada em que a indústria de viagens comemoraria um retorno glorioso. Em vez disso, a alta temporada turística foi marcada por interrupções desenfreadas de voos e manchetes de “caos nos aeroportos”.

Ontem (27), aeroportos de todo o mundo registraram mais de 21.000 atrasos de voos e 2.664 cancelamentos, de acordo com dados de rastreamento da FlightAware. Nos Estados Unidos, 8 aeroportos tiveram pelo menos 20% de seus voos atrasados. O pior caso foi o Aeroporto Internacional de Las Vegas, onde 33% de todos os voos partiram com atraso.  Hoje (28) foi mais do mesmo, com quase 18 mil atrasos até as 17h40 de Brasília.

Leia mais: Veja as melhores companhias aéreas do mundo em 2022

“Infelizmente, o público viajante terá que se acostumar com algumas frustrações, desafios e preços mais altos por um tempo”, diz Mark Baier, CEO da AviationManuals, fornecedora líder de serviços manuais de desenvolvimento de aviação e software de sistema de gerenciamento de segurança.

A maioria das interrupções de voos desta temporada pode ser atribuída a “uma tempestade perfeita” de escassez, diz Baier. “Estamos essencialmente vendo uma tensão em um sistema que está tentando voltar rapidamente aos níveis de viagem pré-Covid. As companhias aéreas aposentaram ou desativaram alguns equipamentos, então estamos vendo uma escassez de equipamentos no momento.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

De longe, o maior problema tem sido a falta de pilotos. “Temos uma geração baby boomer que está se aposentando e essa é uma geração bem grande. Portanto, a indústria está perdendo muitos pilotos que, francamente, receberam ofertas para se demitir mais cedo quando os níveis de voo caíram”, diz Baier.

É um problema que as companhias aéreas deveriam ter previsto, diz Baier. “Mesmo antes da pandemia, isso ia acontecer. A pandemia apenas precipitou o problema. Você tinha um grande número de pilotos que estavam se aproximando da idade da aposentadoria”, diz ele. “Você não pode voar como piloto comercial depois de uma certa idade.”

“É fácil ter uma história revisionista e se perguntar se deveríamos ter feito isso ou não”, disse o CEO da Delta Air Lines, Ed Bastian, na teleconferência de resultados do segundo trimestre de 2022 da empresa. “Mas você se coloca de volta no verão de 2020, quando as receitas totais provavelmente foram inferiores a 20% dos níveis de 2019. Não havia conhecimento do que uma vacina poderia fazer quando fosse encontrada, a eficácia, etc., e como o mundo começaria a se reunir. Então eu não olho para trás com nenhum arrependimento sobre essas decisões.”

Ao mesmo tempo em que os pilotos mais velhos estão se aposentando, a indústria também enfrenta uma escassez de novos pilotos. “As companhias aéreas muitas vezes confiam em pilotos vindos das forças armadas, mas as forças armadas estão menores”, diz Baier. “Também temos um pequeno fenômeno estranho que realmente não é muito conhecido fora da aviação geral, em que voar como hobby costumava ser muito mais acessível do que é hoje. Tornou-se muito mais proibitivo em termos de custos.”

O resultado: menos pilotos estão naturalmente encontrando seu caminho para as aéreas.

Tradicionalmente, os pilotos nos EUA tinham que pagar até US$ 150 mil por seu próprio treinamento, aceitar um emprego de baixa remuneração em uma companhia aérea regional e depois migrar. Esse processo leva anos. “Você precisa realmente querer ser um piloto”, diz Bayer.

“As companhias aéreas tinham esse método de baixo custo de trazer pilotos para o rebanho”, diz Baier. “Agora, algumas de nossas companhias aéreas estão iniciando escolas de voo profissional, embora, francamente, os europeus as tenham por mais tempo.”

Antes tarde do que nunca. No ano passado, a United Airlines começou a ensinar os primeiros alunos da United Aviate Academy, sua nova escola de voo no Arizona. Este ano, a companhia aérea anunciou que gastará US$ 100 milhões expandindo outro local em Denver.

O programa da Delta Propel Pilot Career Path é uma parceria com faculdades para fornecer um caminho acelerado para que os alunos adquiram as certificações de voo e a experiência necessária para se tornar um piloto da Delta em 42 meses ou menos. O programa está crescendo. Em fevereiro, por exemplo, a Delta trouxe a Hampton University, uma faculdade historicamente negra, para dentro do projeto.

Semanas atrás, a American Airlines anunciou a criação de um fundo de bolsas de US$ 1 milhão para pilotos que ajudará dois estudantes por ano a financiar seu treinamento na American Airlines Cadet Academy.

Mesmo assim, você não pode criar pilotos comerciais da noite para o dia. “Não existe varinha mágica”, diz Baier. “Leva tempo para trazer os pilotos. Certamente não levará menos de um ano para começarmos a receber o impacto de alguns novos pilotos chegando.”

Ainda assim, há um lado bom. “Estou muito feliz em ver as companhias aéreas começando suas próprias academias de voo”, diz Baier. “Esta é uma plataforma muito melhor para a qual estamos nos movendo.”

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação:

Temas