Os filmes de maior bilheteria com as piores críticas

“Crepúsculo” ganhou US$ 392 milhões em todo o mundo, enquanto “Lua Nova” estourou um ano depois com US$ 696 milhões

Scott Mendelson
Compartilhe esta publicação:
Kristen Stewart e Robert Pattinson em 'Crepúsculo'
SUMMIT AND LIONSGATE

Kristen Stewart e Robert Pattinson em ‘Crepúsculo’.

Acessibilidade


Vamos descobrir em breve se “O Homem Cinzento” é mais do que uma maravilha de duas semanas no topo da lista de grandes originais da Netflix. Que o serviço de streaming tenha anunciado planos para uma sequência e um spin-off é menos um sinal de sucesso do que uma jogada prematura para criar a aparência de uma franquia de sucesso.

No entanto, digamos que há pelo menos outro filme do Homem Cinzento, as chances de o filme se tornar uma franquia de nível A são contra ele: a maioria das críticas é negativa, com uma pontuação média de 46% no Rotten Tomatoes.

Outras franquias de Hollywood resistiram a sequências e prequelas com críticas negativas, mas poucas se estabeleceram no topo das bilheterias globais sem uma estreia inicialmente bem avaliada.

Leia mais: “Top Gun” e “Doutor Estranho” são as maiores bilheterias de 2022

Quantos filmes mal avaliados lideraram as bilheterias?

Apenas para informação, retirei todos os filmes que ganharam pelo menos US$ 600 milhões em todo o mundo enquanto recebiam uma pontuação ruim – menos de 60% dos críticos participantes dão ao filme pelo menos uma avaliação de 6/10 ou “É bom, eu acho”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Existem 175 filmes, incluindo “Thor: Amor e Trovão”, que arrecadaram pelo menos US$ 600 milhões em todo o mundo (sem contar inflação, mudança de gostos dos críticos e total de críticos participantes para um determinado título). Desses filmes, apenas (a menos que eu tenha perdido um) 42 filmes de Hollywood (descontando alguns blockbusters chineses) receberam críticas negativas em sua maioria. Vou colar a lista no final, mas 2/3 deles são sequências ou prequelas. Cinco das não-sequências são novas partes em um universo cinematográfico em andamento (“Esquadrão Suicida”) ou um remake/renovação de ação ao vivo da Disney (“Alice no País das Maravilhas”, “Malévola”, “Aladdin” e “O Rei Leão”).

“Venom” disparou na China (US$ 269 milhões) para uma bilheteria acumulada de US$ 854 milhões.

“O Código Da Vinci”, baseado em um livro popular e controverso e com Tom Hanks no papel principal, arrecadou US$ 760 milhões em 2006

“A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, um evento único em uma geração para espectadores irregulares, arrecadou US$ 370 milhões no mercado interno e US$ 622 milhões em todo o mundo com um orçamento de US$ 30 milhões.

“2012” de Roland Emmerich continua sendo o maior faturamento global (US$ 765 milhões) com o menor total doméstico (US$ 166 milhões).

“Transformers” de Michael Bay ganhou 58% na avaliação, mas ainda assim ganhou um “Ei; isso é melhor do que todos pensávamos que seria”.

“Hancock”, de Will Smith, ainda é o filme de super-herói original live action com maior bilheteria, com US$ 624 milhões.

“Mamma Mia!” ganhou US$ 609 milhões em todo o mundo em 2008, incluindo apenas US$ 5 milhões a menos no exterior do que “O Cavaleiro das Trevas” e “Indiana Jones 4”.

“O Homem de Aço” de Zack Snyder (US$ 669 milhões em 2013) deu início a uma franquia de sucesso enquanto tropeçava o suficiente para a WB transformar sua sequência em “Batman v Superman”.

Eu diria que “Mamma Mia!” receberia melhores críticas hoje por causa da mudança demográfica dos opinadores (menos homens brancos), embora “Mamma Mia! 2 – Lá amos Nós de Novo” seja um filme melhor. Da mesma forma, o subestimado “Hancock” de Peter Berg (uma desconstrução de super-herói com viés adulto sobre o papel da América como policial mundial antes de “The Boys”).

“Mamma Mia!”, “Venom”, “Homem de Aço” e “O Código da Vinci” geraram pelo menos uma sequência. “Alice Através do Espelho” (US$ 299 milhões) afundou enquanto “Malévola: Dona do Mal” (US$ 495 milhões) desapontou. O “Esquadrão Suicida” foi um sopro comercial de “boa sequência é punida por um péssimo predecessor”. Há precisamente um início de franquia com crítica negativa que inquestionavelmente gerou uma franquia de primeira linha de sucesso, a saber, os filmes “Transformers” de Michael Bay.

“O Rei Leão” é o filme de maior bilheteria (US$ 1,663 bilhão) com uma pontuação negativa no tomatômetro do Rotten Tomatoes, enquanto “Transformers: A Era da Extinção” é o filme com a pior crítica (17% e 4/10) chegando a US$ 1 bilhão em todo o mundo. Cá entre nós, ele é o meu favorito da série. É gloriosamente gigantesco e completamente maluco de uma maneira que agora parece quase subversiva. Além disso, um Mark Wahlberg moldado para o papel é um protagonista melhor do que um Shia LeBeouf mal dirigido.

Enquanto isso, eu diria que “Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas” (US$ 1,1 bilhão com 33% de pontuação ruim) é o pior filme a chegar a US$ 1 bilhão. Mas como muitos dos filmes em questão são sequências ou prequelas, quais franquias são as piores? Que franquia prosperou no topo das bilheterias globais, apesar das críticas consistentemente ruins?

A resposta pode (não?) surpreendê-lo.

“Transformers” (Paramount)

A resposta óbvia é, de fato, os primeiros cinco filmes “Transformers” de Michael Bay. Eles ganharam (respectivamente) US$ 735 milhões, US$ 836 milhões, US$ 1,124 bilhão, US$ 1,104 bilhão e US$ 605 milhões entre 2007 e 2014, enquanto recebiam críticas terríveis que (com ou sem razão) o tornaram o exemplo de grandes sucessos de bilheteria que tiveram sucesso apesar de avaliações negativas. No entanto, os filmes “Transformers” tiveram sucesso graças à marca popular, um diretor badalado e sua existência principalmente em uma época em que A) Hollywood gastar US$ 150 a US$ 250 milhões para transformar uma série de brinquedos infantis em um grande negócio de ficção científica top de linha era algo único. Além disso, os filmes Transformers entregaram um espetáculo de grande sucesso que você não encontraria em nenhum outro lugar. Uma vez que os filmes (mais saudáveis) do MCU se igualaram aos filmes Transformers em termos de espetáculo, bem, “O Último Cavaleiro” mal conseguiu US$ 600 milhões.

“A Saga Crepúsculo” (Cúpula/Lionsgate)

“A Saga Crepúsculo” fica ao lado dos filmes “Transformers” como uma das únicas franquias de primeira linha a começar com uma primeira parte com críticas negativas. O primeiro (e ainda muito bom caramba) “Crepúsculo” ganhou US$ 392 milhões em todo o mundo, enquanto “Lua Nova” (o pior por uma margem considerável) estourou um ano depois com US$ 696 milhões. “Eclipse” ganharia US$ 698 milhões em 2010. “Amanhecer 1” faria US$ 712 milhões em 2011 e “Amanhecer 2” (que apresenta um espetacular final de trinta minutos) arrecadaria US$ 830 milhões em 2012. Parte da ira crítica sobre os filmes de Kristen Stewart/Robert Pattinson estava enraizada no preconceito “Credo, é um filme de menina!” (de especialistas que preferiam que suas heroínas se preocupassem mais com a guerra do que com o amor). Ainda assim, a geração que cresceu amando-os mudou um pouco a narrativa crítica.

“Piratas do Caribe” (Walt Disney)

Todas as quatro sequências de “Piratas do Caribe” foram relativamente mal avaliadas no lançamento. As duas primeiras sequências dirigidas por Gore Verbinski envelheceram muito bem em termos de serem espetaculares em termos de ação e fantasia. “A Maldição do Pérola Negra” foi uma clássica surpresa “Ninguém esperava que fosse tão bom!”, arrecadando US$ 654 milhões em 2003. “O Baú da Morte” foi uma sequência clássica de sucesso, tornando-se apenas o terceiro filme a atingir US$ 1 bilhão em todo o mundo. Se você é como eu e acha que “A Vingança de Salazar” (o filme de maior bilheteria de Hollywood, com US$ 795 milhões, a ganhar menos de US $ 200 milhões nos EUA) é pelo menos melhor do que “Navegando em Águas Misteriosas”, este não é um poço em que a Disney queria voltar a nadar, a menos que não tivesse para onde ir, mesmo antes do comportamento e das alegações de Johnny Depp fora da tela o tornarem (discutivelmente) radioativo.

SnyderVerse da DC Films (Warner Bros.)

“Esquadrão Suicida” (US$ 745 milhões) é um filme dirigido por David Ayers e “Liga da Justiça” (US$ 659 milhões) é uma versão simplificada das intenções épicas de Zack Snyder. O fato de a DC Films ainda estar de pé representa um novo normal, onde algumas marcas são grandes demais para falhar. A WB não está totalmente fora de perigo. Eles entraram em pânico depois de “Homem de Aço” (US$ 669 milhões) e enfatizaram demais o Batman em “Batman vs Superman” (US$ 873 milhões) e “Liga da Justiça”. No entanto, tudo o que aconteceu na última década foi porque o reboot de Superman de Snyder, David Goyer e Chris Nolan não funcionou com os críticos ou (é o que diz um multiplicador doméstico de 2,27x) com o público em geral. Snyder é o único diretor além de Michael Bay com três filmes creditados nesta lista.

“Jurassic Park/Jurassic World” (Universal)

A série de fantasia de dinossauros não tem quatro aparições nesta lista apenas porque “Jurassic World” recebeu críticas positivas (71% tomates frescos) e “Jurassic Park III” não conseguiu US$ 400 milhões no verão de 2001. Apesar da preocupação com os resultados de “Dominion” acima de US$ 950 milhões em todo o mundo, apesar das críticas ruins, a maioria das sequências de Jurassic não eram queridinhas da crítica. Podemos debater até que ponto “O Mundo Perdido” de Steven Spielberg ou “Jurassic Park III” de Joe Johnston melhoraram (ou não) com a idade. No entanto, todos os seis filmes Jurassic oferecem emoções “não se consegue isso de nenhuma outra forma” com pessoas arrumadinhas e não super-heróicas encontrando e ocasionalmente sendo abatidas por dinossauros autenticamente criados. Além disso, em uma mídia menos dominada por cobertura geek e fandoms específicos, ninguém esperaria que o massacre no parque dos dinos número 6 recebesse boas críticas.

“A Era do Gelo” (Fox)

Como “Premonição”, a primeira “Era do Gelo” é um filme de fantasia um tanto sério e fundamentado sobre a cruel aleatoriedade da morte em nosso mundo natural (e às vezes não natural). E também como “Premonição”, a parte inicial “muito boa” deu lugar a sequências mais farsescas e fantásticas que eram menos emocionais e mais limítrofes (apesar da qualificação relativa) caricatural por natureza. “O Degelo” (US$ 652 milhões) foi uma sequência clássica de sucesso. “A Era do Gelo 3” abriu em uma lacuna significativa na programação de verão, contratou celebridades específicas do mercado para dar voz aos personagens em cada respectivo território e aproveitou o então romance com o 3-D para criar um equivalente cinematográfico de uma montanha-russa. No verão de 2009, foi o terceiro maior faturamento no exterior, atrás de “Titanic” e “Retorno do Rei”. “A Era do Gelo 3” e a “Era do Gelo 4” atingiram US$ 875 milhões globalmente.

O resto

“Meu Malvado Favorito 3” (US$ 1 bilhão) e “Minions” (US$ 1,1 bilhão) receberam críticas “quase negativas” (59% e 55%, respectivamente). Eu diria que a primeira prequela dos “Minions” (minhas opiniões à parte) provavelmente teria se saído melhor com a safra de críticos de hoje. Embora “Shrek Para Sempre” (US$ 752 milhões) tenha sido melhor que “Shrek Terceiro” (US$ 812 milhões), provavelmente pagou comercialmente pela mediocridade daquele. O nono “Velozes e Furiosos” (US$ 721 milhões) e o nono “Star Wars” (US$ 1,073 bilhão) foram (discutível) o fundo do poço para essas franquias, enquanto “O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos” (US$ 955 milhões) por pouco perdeu uma avaliação “fresco”. “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” (US$ 659 milhões) foi tão ruim que matou a franquia. O consenso generalizado daria o mesmo argumento sobre “O Espetacular Homem-Aranha 2 – A Ameaça de Electro” (US$ 709 milhões).

E o Homem Cinzento?

O público pode continuar assistindo casualmente ao filme de ação de Ryan Gosling / Chris Evans e ainda curtir o segundo se ele for feito (ainda esperando “Bright 2” e qualquer atualização sobre os dois filmes “Alerta Vermelho” prometidos).

Mas o público continuará assistindo a “Gray Man 3”, “Gray Man 4” e/ou “Gray Man Origins” ou qualquer outra coisa que os russos afirmem que querem fazer? A história sugere “absolutamente não”. A série não oferece um valor “não se consegue isso em nenhum outro lugar” semelhante a “Jurassic”, “Crepúsculo” e “Transformers”, nem está capitalizando a nostalgia específica da Disney como esses remakes de ação ao vivo.

Você pode gerar uma franquia de sucesso composta principalmente de sequências mal avaliadas. “Velozes e Furiosos” começou como um fracasso crítico de US$ 40 milhões sobre ladrões. Mas a história mostra que você geralmente tem que pelo menos começar com uma “parte um” bem recebida. As primeiras partes de “Dirty Harry”, “Tubarão”, “Star Wars”, “Indiana Jones”, “Máquina Mortífera”, “Duro de Matar”, “Batman”, “Jurassic Park”, “Homens de Preto”, “Matrix”, “Harry Potter”, “Senhor dos Anéis”, “Homem-Aranha”, “Piratas do Caribe”, as franquias “Homem de Ferro”, “Se Beber Não Case”, “Jogos Vorazes”, “A Escolha Perfeita” e “John Wick” começaram com o pé direito. E “O Homem Cinzento” tem que lutar para oferecer não seu próprio conjunto único de emoções, mas uma aproximação do que Hollywood já oferece. O “Homem Cinzento” da Netflix poderia ser a exceção à regra, mas agora tem que ser.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: