Farmacêutica brasileira fecha acordo para produzir vacina russa contra Covid-19

Tatyana Makeyeva/Reuters
Tatyana Makeyeva/Reuters

Recipientes da vacina russa para Covid-19 Sputnik-V

A farmacêutica União Química informou hoje (23) que assinou acordo com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) para produzir a vacina russa Sputnik V contra a Covid-19 a partir da segunda quinzena de novembro.

A empresa disse que firmou um acordo de confidencialidade que a impede de fornecer quaisquer detalhes técnicos ou científicos. O laboratório ainda precisa obter aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção.

LEIA MAIS: Anvisa autoriza importação de 6 milhões de doses da vacina da Sinovac

O acordo assinado pela União Química é o segundo para produção da vacina russa no Brasil, onde outras quatro vacinas contra a Covid-19 já estão sendo testadas.

A vacina russa está sendo desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, de Moscou, e comercializada pelo RDIF, que no mês passado fechou um acordo com o governo do Paraná para testar e produzir a vacina no Brasil.

O governo da Bahia também assinou um acordo para conduzir testes clínicos de Fase 3 da vacina Sputnik V e planeja comprar 50 milhões de doses.

Não está claro, entretanto, quando esses testes podem começar.

Uma porta-voz da Anvisa disse que os governos do Paraná e da Bahia ainda não entraram com pedidos de aprovação para seus planos de testar a vacina russa, muito menos produzi-la.

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, disse à Reuters que o fundo soberano russo e o Instituto Gamaleya estão negociando diretamente com a Anvisa em relação aos dados de testes anteriores.

LEIA TAMBÉM: Anotações de discursos de Hitler vão a leilão em Munique

Com mais de 5,3 milhões de casos de coronavírus confirmados, o Brasil tem o terceiro pior surto do mundo, depois dos Estados Unidos e da Índia, o que fez do país um campo de testes na corrida para encontrar uma vacina.

Testes de estágio final estão em andamento para vacinas em desenvolvimento pela Universidade de Oxford/AstraZeneca; Sinovac Biotech; Pfizer em parceria com BioNTech; e a subsidiária farmacêutica da Johnson & Johnson, Janssen. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).