Farmacêutica Eli Lilly interrompe teste de medicamento com anticorpos elogiado por Trump

Medida foi tomada em função de preocupações com a segurança.

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
Vincent Kessler/Reuters
Vincent Kessler/Reuters

Trump elogiou o medicamento da Lilly, juntamente com o tratamento com anticorpos da Regeneron Pharmaceuticals

Acessibilidade


A farmacêutica norte-americana Eli Lilly informou hoje (13) que o ensaio clínico apoiado pelo governo dos Estados Unidos para tratamento da Covid-19 com anticorpos, semelhante ao tomado pelo presidente Donald Trump, foi interrompido por causa de uma preocupação de segurança.

Trump elogiou o medicamento da Lilly, juntamente com o tratamento com anticorpos da Regeneron Pharmaceuticals que ele recebeu contra a Covid-19, como potenciais “curas”, em um vídeo publicado na semana passada.

LEIA MAIS: Anvisa confirma suspensão de teste com vacina da Johnson & Johnson

O anúncio foi feito um dia depois que a Johnson & Johnson disse que foi forçada a interromper um teste de larga escala de sua vacina experimental contra o coronavírus porque um voluntário ficou doente. A J&J afirmou que ainda não sabe se essa pessoa recebeu a vacina ou um placebo.

A Lilly disse no início deste mês que estava solicitando autorização de uso de emergência para o medicamento com anticorpos LY-CoV555 para pacientes com Covid-19 leve a moderada, com base em dados de outro ensaio clínico.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A farmacêutica, com sede em Indianápolis, não comentou as implicações para o ensaio paralisado, denominado ACTIV-3, que está testando o tratamento em doentes que necessitam de hospitalização, ou para seus outros testes em curso.

“Por precaução, o conselho independente de monitoramento de segurança de dados ACTIV-3 (DSMB) recomendou uma suspensão”, disse a porta-voz da Lilly, Molly McCully, em um comunicado por e-mail. “A Lilly apoia a decisão do DSMB independente de garantir cautelosamente a segurança dos pacientes participantes deste estudo.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: