OMS negocia vacina Sputnik V para Covid-19 com instituto russo

Ao autorizar uso emergencial, a agência estaria efetivamente recomendando sua aplicação aos Estados membro.

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

A OMS ainda não pré-qualificou nenhuma vacina experimental nem divulgou uma lista de uso emergencial

Acessibilidade


A Organização Mundial da Saúde (OMS) está em negociações com o instituto russo que desenvolveu a candidata à vacina Sputnik V contra a Covid-19 a respeito de sua potencial aplicação para lista de uso de emergência, informou a agência hoje (12).

A vacina russa Sputnik V é 92% eficaz na proteção contra a Covid-19 de acordo com os resultados dos testes provisórios, afirmou o fundo soberano do país ontem (11).

LEIA MAIS: Estudo confirma a existência da “Long Covid”, um fenômeno que revela impactos de longo prazo da doença

A OMS, em um comunicado à Reuters, disse: “A OMS entrou em contato com o Instituto de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, que expressou interesse em se inscrever para a lista de uso de emergência da OMS.”

“Esperamos receber os dados da candidata à vacina Sputnik V. Se um produto submetido para avaliação atender aos critérios de listagem, a OMS divulgará os resultados amplamente”, acrescentou a agência da Organização das Nações Unidas (ONU).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ao autorizar uso emergencial à vacina, a OMS estaria efetivamente recomendando sua aplicação aos Estados membros. O procedimento agiliza o processo pelo qual vacinas e outros produtos novos e não licenciados podem ser usados ​​em emergências.

A OMS, que está apoiando o desenvolvimento acelerado de vacinas para conter a pandemia, ainda não pré-qualificou nenhuma vacina experimental nem divulgou uma lista de uso emergencial.

Os resultados da Rússia são apenas os segundos de um teste em humanos em estágio final, anunciados rapidamente após dados divulgados pela Pfizer Inc e pela BioNTech na segunda-feira (9), que informaram que sua imunização é mais de 90% eficaz. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: