UE firma contrato para 300 milhões de doses de vacina da Pfizer-BioNTech

Aquisições só podem acontecer depois que o imunizante for autorizado pela agência reguladora de remédios do bloco

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
Douglas Sacha/Getty Images
Douglas Sacha/Getty Images

O bloco já assinou contratos de suprimento para as vacinas experimentais contra Covid-19 de AstraZeneca, Sanofi e Johnson & Johnson

Acessibilidade


A Comissão Europeia disse hoje (11) que selou um contrato de suprimento de até 300 milhões de doses da candidata a vacina contra Covid-19 da Pfizer e da BioNTech.

A ação vem na esteira do anúncio de segunda-feira (9) da Pfizer de que sua vacina experimental desenvolvida com a BioNTech é mais de 90% eficaz, o que faz delas as primeiras farmacêuticas a mostrarem dados provisórios bem-sucedidos de um teste clínico de larga escala de uma vacina contra coronavírus.

LEIA MAIS: Rússia diz que sua vacina contra Covid-19 é 92% eficaz

“Estou muito satisfeita de anunciar o acordo de hoje com a empresa europeia BioNTech e com a Pfizer para adquirir 300 milhões de doses da vacina”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Pelo acordo da União Europeia, os 27 países do bloco podem comprar 200 milhões de doses, e têm a opção de comprar outras 100 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As aquisições só podem acontecer depois que a vacina for autorizada pela agência reguladora de remédios da UE por ser eficaz e segura.

O bloco já assinou contratos de suprimento para as vacinas experimentais contra Covid-19 de AstraZeneca, Sanofi e Johnson & Johnson, e está conversando com Moderna, CureVac e Novavax para obter suas vacinas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: