Vacina Sputnik V da Rússia também é 90% eficaz, diz ministério

Tatyana Makeyeva/Reuters
Tatyana Makeyeva/Reuters

A Rússia está disponibilizando a vacina para uso doméstico

A vacina Sputnik V contra Covid-19 da Rússia é mais de 90% eficaz, disse um representante do Ministério da Saúde hoje (9), citando dados coletados de vacinações do público, e não de um teste em andamento.

Os comentários vieram na esteira de um comunicado das desenvolvedoras de vacina Pfizer e BioNTech emitido na manhã de hoje, segundo o qual sua vacina experimental contra Covid-19 é mais de 90% eficaz.

LEIA MAIS: Moscou promete vacinação em massa contra Covid-19 no mês que vem

“Somos responsáveis por monitorar a eficácia da vacina Sputnik V entre cidadãos que a receberam como parte do programa de vacinação em massa”, disse Oksana Drapkina, diretora do instituto de pesquisa subordinado ao Ministério da Saúde, em um comunicado.

“Com base em nossas observações, sua eficácia também é de mais de 90%. O aparecimento de outra vacina eficaz é boa notícia para todos”, disse Drapkina.

A Rússia está disponibilizando a vacina para uso doméstico, apesar de ainda não ter finalizado testes clínicos de estágio avançado.

Ainda na manhã de hoje, Alexander Gintsburg, diretor do Instituto Gamaleya de Moscou, que desenvolveu a candidata a vacina russa, disse que saudou a notícia da Pfizer.

“No futuro próximo, esperamos publicar resultados provisórios do teste pró-registro da vacina Sputnik V, os chamados testes de estágio avançado. Tenho certeza de que seu nível de eficácia também será alto”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).