Adiamento de vacina contra Covid-19 de Sanofi e GSK marca revés em luta contra pandemia

Imunizante mostrou uma reação imunológica insuficiente em pessoas mais velhas .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Catherine Falls Commercial/Getty Images
Catherine Falls Commercial/Getty Images

Empresas disseram que planejam iniciar outro estudo em fevereiro na esperança de desenvolver uma vacina mais eficiente até o final de 2021

Acessibilidade


A Sanofi e a GlaxoSmithKline disseram que os testes clínicos de sua vacina contra Covid-19 mostraram uma reação imunológica insuficiente em pessoas mais velhas e adiaram seu lançamento para o final do ano que vem, um revés na luta global contra a pandemia.

O anúncio de hoje (11), que ressalta os desafios de se desenvolver vacinas em velocidade recorde, prejudica os esforços para se oferecer várias opções –o que especialistas dizem que o mundo precisa para se contrapor a uma doença que já matou mais de 1,5 milhão de pessoas.

LEIA MAIS: AstraZeneca testará vacina contra Covid-19 junto com imunizante russo até final do ano

A notícia, que chegou no mesmo dia em que a Austrália descartou o projeto de uma vacina doméstica, também é um golpe para muitos governos que encomendaram centenas de milhões de doses da vacina, entre eles os da União Europeia, Estados Unidos e Reino Unido.

As duas empresas disseram que planejam iniciar outro estudo em fevereiro na esperança de desenvolver uma vacina mais eficiente até o final de 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O contratempo afeta uma das tecnologias de vacina mais estabelecidas –usada contra o papilomavírus humano, a hepatite B e a coqueluche, entre outros patógenos–, que almeja introduzir proteínas feitas em laboratório no organismo para induzir o sistema imunológico a desenvolver uma defesa específica contra o novo coronavírus.

Ela consolida a liderança de abordagens mais recentes usadas em vacinas de empresas como Pfizer-BioNTech e Moderna, que utilizam a tecnologia genética de mRNA para induzir o organismo a produzir estas proteínas. Ambas as vacinas se mostraram aproximadamente 95% eficientes em testes de larga escala bem-sucedidos.

Atrasos e testes adicionais não são incomuns, mas o anúncio da Sanofi/GSK destaca o conjunto único de desafios enfrentados pelas farmacêuticas para conjugar ciência, rapidez e logística durante uma pandemia que assolou as economias mundiais.

VEJA TAMBÉM: Painel consultivo da FDA aprova uso emergencial de vacina da Pfizer contra Covid-19 nos EUA

Ele também sublinha por que os governos fizeram várias apostas ao encomendar vacinas de vários desenvolvedores.

A Sanofi disse que os resultados dos testes de estágio avançado de hoje mostraram “uma reação imunológica comparável à de pacientes que se recuperaram da Covid-19 em adultos de 18 a 49 anos, mas uma reação imunológica baixa em adultos mais velhos, provavelmente devido a uma concentração insuficiente do antígeno”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: