Facebook removerá falsas alegações sobre vacina contra Covid-19

Thomas White/Reuters
Thomas White/Reuters

O Facebook disse que removerá teorias conspiratórias já desmentidas sobre a vacina

O Facebook disse hoje (3) que removerá falsas alegações sobre vacinas contra Covid-19 que foram desmentidas por especialistas em saúde pública, após um anúncio semelhante feito pelo YouTube, da Alphabet, em outubro.

A mudança expande as regras atuais do Facebook contra informações falsas e teorias da conspiração sobre a pandemia. A empresa de mídia social diz que remove desinformação sobre o coronavírus que represente risco de dano físico iminente, enquanto coloca avisos e reduz a distribuição de outras alegações falsas que não cruzam esse limite.

LEIA MAIS: Twitter amplia regras de proibição de discurso de ódio para incluir raça e etnia

O Facebook disse em publicação em seu blog que a mudança na política global veio em resposta às notícias de que vacinas contra Covid-19 logo serão aplicadas em todo o mundo.

A empresa disse que removerá teorias conspiratórias já desmentidas sobre a vacina, como a de que populações específicas estariam sendo usadas sem consentimento para testar a segurança da vacina.

“Isso pode incluir alegações falsas sobre a segurança, eficácia, ingredientes ou efeitos colaterais das vacinas. Por exemplo, removeremos alegações falsas de que as vacinas do Covid-19 contêm microchips ou qualquer outra coisa que não esteja na lista oficial de ingredientes da vacina”, informou o Facebook em seu blog. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).