Banco Mundial está trabalhando com países para resolver obstáculos de compensação de vacinas

David Malpass/Reuters
David Malpass/Reuters

Malpass apelou às economias avançadas para que liberem reservas de vacinas que estão além de sua capacidade de distribuição

O Banco Mundial está trabalhando em estreita colaboração com mais de 100 países para preparar o caminho para que recebam empréstimos e financiamento a juros baixos para comprar e distribuir vacinas contra a Covid-19, disse o presidente do organismo, David Malpass, a jornalistas nesta terça-feira.

Ele disse que as autoridades do Banco estão trabalhando com os países para lidar com um dos principais obstáculos –regras que deixam fabricantes de vacinas sujeitos a processos ou julgamentos– por meio de legislação ou outros processos.

VEJA TAMBÉM: Vacinas podem ser exportadas a todos países, diz presidente da fabricante indiana de imunizante da AstraZeneca

Malpass também apelou às economias avançadas para que liberem reservas de vacinas que estão além de sua capacidade de distribuição a fim de disponibilizar vacinas para compra ou distribuição em países mais pobres.

Em outubro, o comitê executivo do Banco Mundial aprovou 12 bilhões de dólares em novos recursos para países em desenvolvimento, com o objetivo de financiar compra e distribuição de vacinas, testes e tratamentos médicos contra a Covid-19 para cerca de 1 bilhão de pessoas em 24 meses.

O plano faz parte de um montante total de recursos de 160 bilhões de dólares que o credor multilateral de desenvolvimento prometeu deixar disponível a países em desenvolvimento até junho de 2021 para auxiliá-los no combate à pandemia do coronavírus.

A estratégia inclui apoio técnico às nações destinatárias para que possam se preparar para distribuição em larga escala das vacinas e tem como objetivo sinalizar a demanda futura para as empresas farmacêuticas.

Malpass disse que a instituição, em breve, espera apresentar ao seu conselho para aprovação os primeiros planos de financiamento de vacinas aos países, mas não identificou os países envolvidos.

Um porta-voz do Banco Mundial disse que o primeiro acordo poderia ser aprovado no fim de janeiro ou início de fevereiro.

E AINDA: Fiocruz se reúne com Anvisa e decide não pedir uso emergencial de vacina nesta 3ª

Malpass afirmou que integrantes do Banco estão trabalhando com autoridades sanitárias em países qualificados para resolver a questão da indenização, para avaliar a logística de distribuição das vacinas e como mantê-las resfriadas de forma adequada.

A Corporação Financeira Internacional, organização-irmã do Banco Mundial e que faz parte do Grupo Banco Mundial, também esteve envolvida no financiamento para compra de seringas, frascos e outros materiais necessários para administrar as vacinas assim que estivessem disponíveis. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).