Butantan pede autorização para mais 4,8 milhões de doses da CoronaVac

Presidente do instituto disse que depois desse novo aval, que envolve doses envasadas no Brasil, não serão necessários novos pedidos à agência reguladora.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

O presidente do Butantan, Dimas Covas, disse esperar que a Anvisa autorize o novo lote de vacinas Coronovac rapidamente

Acessibilidade


O Instituto Butantan pediu hoje (18) à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização para uso emergencial de mais 4,8 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva.

Também presente na coletiva, realizada no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, o presidente do Butantan, Dimas Covas, disse esperar que a Anvisa autorize o novo lote rapidamente e que, depois desse novo aval, que envolve doses envasadas no Brasil, não serão necessários novos pedidos à agência reguladora.

LEIA MAIS: CoronaVac é mais eficaz com intervalo maior entre doses, diz Sinovac

PREOCUPAÇÃO

A demora do governo da China em autorizar a exportação para o Brasil de matéria-prima que será usada no envase no país de doses da CoronaVac preocupa e pode afetar o cronograma de entrega de doses ao Ministério da Saúde, reconheceu Dimas Covas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Covas disse que o cronograma atual de entregas acertado com o ministério será mantido, desde que um novo lote de matéria-prima chegue ao Brasil até o final deste mês.

“Preocupa sim a chegada da matéria-prima. Essa matéria-prima precisa chegar para não parar o processo de produção, e esperamos que isso aconteça muito rapidamente, porque se chegar antes do fim deste mês, nós manteremos o cronograma de entrega de vacinas”, disse o presidente do Butantan.

Ele explicou que as cerca de 6 milhões de doses da CoronaVac que ontem (18) deram início à vacinação no país foram importadas prontas da China e acrescentou que as 4,8 milhões de doses foram envasadas no Brasil pelo Butantan.

O instituto importa da China litros da vacina concentrada e envasa o imunizante em suas instalações, transformando, segundo Covas, mil litros de vacina concentrada em 1 milhão de doses.

Em entrevista coletiva ontem, Covas disse que o Butantan aguarda autorização do governo chinês para trazer ao Brasil matéria-prima equivalente a mais de 11 milhões de doses da CoronaVac, que já está sendo aplicada em profissionais de saúde de São Paulo desde ontem, após autorização para uso emergencial dada pela Anvisa.

A vacinação nos demais Estados do país está prevista para começar às 17h de hoje. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: