Ministério recua e orienta Estados a reservar vacinas para 2ª dose da CoronaVac

Pasta deixou de sugerir aplicação total na primeira dose por mudança no cronograma de entregas do Instituto Butantan .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

A orientação pelo armazenamento surgiu da mudança no cronograma de entregas de doses pelo Instituto Butantan

Acessibilidade


O Ministério da Saúde voltou atrás e passou a recomendar a Estados e municípios que retenham parte das novas doses de vacinas contra Covid-19 recebidas para garantir a segunda aplicação para os vacinados.

A mudança de rumo foi informada em uma nota técnica divulgada na noite de ontem (24) depois de reunião do ministério com secretários estaduais e municipais de saúde e altera a orientação dada pessoalmente pelo ministro Eduardo Pazuello na sexta-feira da semana passada (19), em reunião com a Frente Nacional de Prefeitos.

VEJA TAMBÉM: Estados correm atrás de vacinas após autorização do STF, mas esbarram em escassez

“O Ministério da Saúde informa que, em reunião do gabinete de crise da pasta, onde participam também o Conass e Conasems, não foi pactuado para este momento a aplicação total das doses da vacina Sinovac/Butantan, como havia informado o ministro da Saúde, em reunião com prefeitos”, diz a nota da Saúde.

Segundo o ministério, a decisão de reter as vacinas para segunda dose foi tomada pela mudança no cronograma de entrega da CoronaVac pelo Instituto Butantan. “Desta forma, se fez necessária a aplicação da dose 1 com o armazenamento dos imunizantes para garantir a dose 2”, diz a nota.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo o ministério, a restrição é apenas para a CoronaVac. As doses da vacina da AstraZeneca podem ser aplicadas totalmente, já que o prazo para aplicação da segunda dose é maior – 28 dias para CoronaVac e até 3 meses para a AstraZeneca.

Na semana passada, Pazuello garantiu aos prefeitos que poderiam usar todas as novas doses de ambas as vacinas para primeira dose – ambos os imunizantes precisam de duas doses para total efetividade -, já que o cronograma previa a chegada de novas vacinas a tempo da aplicação para a segunda dose.

A Fundação Osvaldo Cruz, que prepara no Brasil a vacina da AstraZeneca, não tem garantia de chegada de insumos, mas com o prazo para aplicação da segunda dose sendo maior, a avaliação do ministério e dos secretários é de que é possível usar todas as 2 milhões de doses que chegaram da Índia essa semana. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: