Agência europeia diz que benefícios de vacina da AstraZeneca continuam a superar riscos

Zorana Jevtic/Reuters
Zorana Jevtic/Reuters

Aplicação de imunizantes da AstraZeneca em centro de vacinação em Belgrado, Sérvia

A Agência reguladora de medicamentos da Europa (EMA) disse hoje (16) que os benefícios da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca continuam a superar os riscos, depois de vários países suspenderem o uso do imunizante por causa de relatos sobre a formação de coágulos sanguíneos.

A diretora-executiva da EMA, Emer Cooke, disse que não há indicação de que os incidentes envolvendo a formação de coágulos, que ele chamou de “muito raros”, foram causados ​​pela vacina, mas especialistas estão analisando essa possibilidade.

LEIA TAMBÉM: Ministério da Saúde assina acordos de 138 milhões de doses com Pfizer e Janssen

Ela afirmou que a confiança na segurança da vacina é um pilar fundamental e que a agência está a ser realizada uma avaliação caso a caso.

“Os benefícios continuam a superar os riscos, mas essa é uma preocupação grave e precisa de uma avaliação científica série e detalhada. É nisto que estamos enfrentando no momento”, disse em entrevista coletiva.

Os resultados da análise devem ser discutidos numa reunião da EMA na próxima quinta-feira (18) depois da qual os resultados serão divulgados ao público, disse Cooke.

No Brasil, a vacina da AstraZeneca-Oxford está sendo envasada pela Fiocruz, mas o país já recebeu da Índia cerca de 4 milhões de doses para aplicação. Até o momento não houve relato pelo Ministério da Saúde de efeito adverso semelhante. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).