"Revolução" da vacina pode permitir doses para a próxima pandemia em 100 dias

Coalizão para Inovações de Prontidão Epidêmica clama por aceleração na tecnologia para criar soluções mais rápidas

Redação
Compartilhe esta publicação:
Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Coalizão para Inovações de Prontidão Epidêmica clama por investimentos em maior rapidez na produção de vacinas porque a próxima pandemia pode ser mais letal

Acessibilidade


Uma “revolução” na tecnologia que ajudou cientistas a desenvolverem vacinas contra Covid-19 em menos de um ano precisa ser acelerada para que, quando a próxima pandemia chegar, uma vacina possa estar pronta em 100 dias, disse uma coalizão internacional hoje (10).

Lançando um clamor para que doadores internacionais apoiem uma estratégia quinquenal de US$ 3,5 bilhões para combater futuros riscos pandêmicos, a Coalizão para Inovações de Prontidão Epidêmica (Cepi) disse que a próxima doença a emergir pode ser até pior do que a Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Vacinação e estímulo nos EUA melhoram perspectiva econômica global

Apesar da cifra de 2,5 milhões de mortes da Covid-19 até agora no mundo, “podemos não ter tanta sorte da próxima vez”, disse o executivo-chefe do Cepi, Richard Hatchett, em um evento virtual.

“A pandemia de Covid-19 não é a primeira pandemia do século 21, e a menos que atuemos agora, podemos ter certeza de que não será a última. Não há nada, nada mesmo, que evite que o próximo vírus a emergir seja bem mais letal“.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Governos, organizações de saúde globais e outros parceiros precisam fazer investimentos essenciais na segurança de saúde global agora e aproveitar “a revolução na vacinologia que é catalisada pela Covid-19”.

Ele descreveu o objetivo de ter uma plataforma que possa ser usada para fazer uma vacina nova dentro de 100 dias como “nosso voo à lua”.

“Precisamos diminuir todos os dias que pudermos de cada etapa do processo se for para cumprirmos a promessa da ciência”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: