Saúde alerta que 1,5 milhão de pessoas deixaram de tomar 2ª dose de vacina contra Covid

Segundo o Ministério, os estados estão fazendo um levantamento para encontrar esse grupo e completar a imunização.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Até agora, 21.203.805 milhões de pessoas tomaram a primeira dose de vacina, o equivalente a 10% da população

Acessibilidade


O Ministério da Saúde alertou hoje (13) que 1,5 milhão de pessoas deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19 dentro do prazo previsto após terem sido imunizadas pela primeira vez, colocando em risco a eficácia completa da imunização.

De acordo com o Ministério, um levantamento está sendo feito com os estados para que as secretarias estaduais possam agir para encontrar essas pessoas que ainda não se vacinaram pela segunda vez. A orientação do Ministério é que, mesmo que a data prevista tenha passado, as pessoas procurem os postos para tomar a segunda dose, que garante a imunização completa.

LEIA MAIS: Brasil vai receber 800 mil doses de vacina da Pfizer contra Covid-19 em junho

“Destaco aqui que, mesmo que vença o prazo, a recomendação do PNI (Programa Nacional de Imunizações) é que elas completem o esquema. Então, quem atrasou e não conseguiu ir com 28 dias de intervalo da CoronaVac, ou aquelas que não conseguiram ir com 84 dias da vacina AstraZeneca, devem comparecer para completar o esquema”, disse a coordenadora do PNI, Francieli Fantinato, em conversa com jornalistas.

Até esse momento, de acordo com dados de acompanhamento do Ministério, 21.203.805 milhões de pessoas tomaram a primeira dose de vacina, o equivalente a 10% da população, mas apenas 6.411.521 receberam a segunda dose, o que representa 3% do total.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Das doses aplicadas, 83,2% foram da vacina CoronaVac, da chinesa Sinovac e envasada no Brasil pelo Instituto Butantan. Nesse caso, a segunda dose precisa ser tomada entre 21 e 28 dias depois da primeira, um intervalo mais curto que a outra vacina usada no Brasil, a da AstraZeneca, cujo tempo de intervalo é de quase três meses.

O Ministério da Saúde afirmou ainda que está tentando antecipar a entrega de doses contratadas para o segundo semestre, privilegiando aquelas já aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“O Ministério tem reforçado o diálogo com países produtores de vacinas e do IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), a fim de reforçar o PNI até que o Brasil seja autossuficiente na produção desses insumos”, afirmou. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: