Butantan interrompe amanhã envase da CoronaVac por falta de insumos

O Instituto garantiu que não há qualquer entrave por parte da Sinovac.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

O Butantan informou que entregará amanhã (14) 1,1 milhão de doses ao Ministério da Saúde, mas que terá de interromper a produção no mesmo dia

Acessibilidade


O Instituto Butantan vai interromper amanhã (14) o envase da CoronaVac, vacina contra Covid-19 da chinesa Sinovac, por falta do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) do imunizante mediante entraves no envio pela China, informou a instituição.

O Butantan aguardava hoje (13) a liberação de um novo lote do IFA pela China, mas o presidente do instituto, Dimas Covas, antecipou ontem (12) que a previsão não se cumpriria e que não há previsão para que os chineses liberem a próxima exportação.

LEIA MAIS: Butantan prevê chegada de insumo para 5 milhões de doses da CoronaVac até dia 20

Em nota, o Butantan informou que entregará amanhã 1,1 milhão de doses ao Ministério da Saúde, totalizando mais de 47 milhões de doses entregues, mas que terá de interromper a produção no mesmo dia.

“Todo o IFA recebido em no dia 19 de abril já foi processado e, após a entrega de amanhã, a produção será retomada assim que mais insumos chegarem”, disse o instituto em nota enviada nesta quinta, acrescentando que aguarda autorização do governo chinês para a liberação de mais matéria-prima necessária para a produção da vacina.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Butantan apontou ainda que “questões referentes à relação diplomática Brasil x China podem, sim, estar interferindo diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos”, e garantiu que não há qualquer entrave relativo à disponibilização do IFA por parte da Sinovac.

O instituto é ligado ao governo de São Paulo, cujo governador João Doria é desafeto do presidente Jair Bolsonaro. Na véspera, Doria atribuiu o atraso na liberação do IFA por Pequim ao que chama de “mal-estar diplomático” causado por declarações do presidente e de outras autoridades brasileiras contra a China. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: