China reduz volume de IFA da CoronaVac a ser remetido ao Brasil, diz Butantan

Com a redução do insumo será possível produzir 5 milhões de doses da vacina, informou o órgão.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

A China decidiu reduzir de 4 mil para 3 mil litros o volume de IFA

Acessibilidade


A China decidiu reduzir de 4 mil para 3 mil litros o volume de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) para produção da CoronaVac a ser remetido ao Brasil no próximo dia 26, informou hoje (18) o Instituto Butantan.

Com a redução da remessa de IFA será possível produzir 5 milhões de doses da vacina pelo Butantan, informou o órgão.

LEIA MAIS: China diz que vai prorrogar isenção de tarifas para algumas importações dos EUA

Na véspera, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), havia informado que o Butantan iria receber um lote de 4 mil litros de insumos da CoronaVac, suficientes para 7 milhões de doses, no dia 26 de maio.

O Butantan, que é ligado ao governo de São Paulo – cujo governador Doria é desafeto do presidente Jair Bolsonaro – tinha afirmado que o IFA está pronto e disponível na China, dependendo apenas de aprovação de envio pelo governo chinês.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Butantan e Doria afirmaram que recentes ataques de Bolsonaro à China têm interferido diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos pelos chineses. Ontem (17),  Doria reiterou que o atraso se deve a uma “questão política e diplomática”, mas demonstrou confiança em uma liberação em breve.

Em depoimento à CPI da Covid do Senado nesta terça, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo negou que atritos do governo Bolsonaro com a China tenham atrapalhado na remessa de insumos de vacinas ao Brasil.(Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: