OMS dá aprovação de emergência a 1ª vacina da China contra Covid-19

Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

A vacina da Sinopharm é a primeira fora do Ocidente a receber autorização para uso da OMS

A OMS (Organização Mundial da Saúde) aprovou hoje (07) a vacina contra Covid-19 da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm para uso emergencial, um estímulo ao empenho de Pequim para ter um papel importante na inoculação do mundo.

A vacina, um dos dois principais imunizantes chineses contra o coronavírus que foram dados a centenas de milhões de pessoas na China e em outros locais, é a primeira desenvolvida em um país de fora do Ocidente a receber aval da OMS.

LEIA TAMBÉM: Butantan já envasou todo insumo da CoronaVac que tinha; espera nova carga até 18 de maio

Também é a primeira vez que a OMS dá aprovação de uso emergencial a uma vacina chinesa para qualquer doença infecciosa.

A OMS disse que pode chegar a uma decisão sobre a outra principal vacina chinesa contra Covid-19, a CoronaVac, feita pela Sinovac Biotech, na próxima semana. Os especialistas técnicos a revisaram na quarta-feira.

Arnaud Didierlaurent, presidente do grupo de assessoria técnica da OMS, declarou na coletiva de imprensa: “Começamos a revisar o relatório da Sinovac. Solicitamos informações adicionais à fabricante … que esperamos receber em breve para tomar uma decisão”.

Uma listagem de emergência da OMS é um sinal a agências reguladoras nacionais de que um produto é seguro e eficaz, e também permite que uma vacina seja incluída no Covax, um programa global para proporcionar vacinas sobretudo para países pobres que enfrentam problemas de suprimento.

“Isto amplia a lista de vacinas contra Covid-19 que o Covax pode comprar, e dá aos países a confiança para acelerar sua própria aprovação regulatória e importar e administrar uma vacina”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma entrevista coletiva.

Bruce Aylward, conselheiro sênior da OMS, disse que caberá à Sinopharm dizer quantas doses de sua vacina pode fornecer ao programa, mas acrescentou: “Eles estão pretendendo tentar fornecer um apoio substancial, tornar doses substanciais disponíveis ao mesmo tempo, é claro, em que tentam servir a população da China”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).