OMS recomenda medicamentos de Roche e Sanofi para reduzir risco de morte por Covid

A análise do efeito dos remédios envolveu 10.930 pacientes infectados pelo coronavírus

Redação
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

O uso dos medicamentos para artrite Actemra e Kevzara pode reduzir o risco de morte de pacientes com Covid-19

Acessibilidade


A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomendou hoje (06) o uso dos medicamentos para artrite Actemra, da Roche, e Kevzara, da Sanofi, com corticosteróides, para pacientes com Covid-19, depois que dados de cerca de 11 mil pacientes mostraram que os dois remédios reduzem o risco de morte.

Um grupo da OMS que avalia terapias concluiu que o tratamento de pacientes graves e críticos com Covid-19 com os chamados antagonistas à interleucina-6 (capaz de bloquear inflamações), “reduzo risco de morte e a necessidade de ventilação mecânica”.

LEIA TAMBÉM: 3 sinais que indicam que você pode estar exagerando no álcool

De acordo com a análise da OMS, o risco de morte em 28 dias para pacientes que recebem um dos medicamentos para artrite com corticosteroides, como a dexametasona, é de 21%, em comparação com um risco presumido de 25% entre aqueles que recebem o tratamento padrão. Ou seja, para cada 100 desses pacientes, mais quatro sobreviverão, disse a OMS.

Além disso, o risco de a doença progredir para ventilação mecânica ou morte foi de 26% para aqueles que receberam os medicamentos e corticosteroides, em comparação com 33% para aqueles que receberam o tratamento padrão. A OMS disse que isso significa que para cada 100 desses pacientes, mais sete sobreviverão sem ventilação mecânica.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Atualizamos nossa orientação de tratamento clínico para refletir esse desenvolvimento mais recente”, disse Janet Diaz, autoridade do Programa de Emergências Sanitárias da OMS. A análise envolveu 10.930 pacientes, dos quais 6.449 receberam um dos medicamentos e 4.481 receberam o tratamento padrão ou um placebo.

O estudo foi feito com o King’s College, de Londres, a Universidade de Bristol, a Universidade College London e o Guy’s and St Thomas’ NHS Foundation Trust, e publicado hoje (06) na revista especializada Journal of the American Medical Association.

A FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos) emitiu na semana passada a aprovação do uso emergencial da Actemra para tratar pacientes com Covid-19. Isso depois que seu uso off-label na pandemia aumentou as vendas em cerca de um terço, para aproximadamente 3 bilhões de dólares em 2020.

Já as vendas de Kevzara aumentaram 30% no ano passado, informou a Sanofi. Ainda assim, o teste de Actemra e Kevzara para tratar pacientes com Covid-19 envolveu tentativa e erro, pois várias falhas surgiram quando as empresas testaram os medicamentos em diferentes grupos de pacientes.

A OMS também pediu mais ações para aumentar o acesso a esses medicamentos nos países de renda mais baixa que agora enfrentam um aumento no número de casos de Covid-19 e novas variantes do vírus, juntamente com suprimentos inadequados de vacinas. “Essas são as pessoas que esses medicamentos precisam alcançar”, disse Diaz. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: