Coquetel de anticorpos da AstraZeneca funciona em teste de tratamento contra Covid-19

A terapia injetável é a 1º de seu tipo a se mostrar promissora tanto como medicamento preventivo quanto como tratamento contra Covid-19.

Redação
Compartilhe esta publicação:
FS Productions/Getty Images
FS Productions/Getty Images

A terapia injetável da AstraZeneca diminuiu o risco de casos graves de Covid-19 ou mortes em 50% em pacientes não-hospitalizados, diz estudo

Acessibilidade


O remédio experimental contra Covid-19 da AstraZeneca ajudou a reduzir o risco de doenças graves ou morte em um estudo de estágio avançado, disse a farmacêutica britânica hoje (11), um estímulo aos seus esforços para desenvolver outros medicamentos contra o coronavírus além de vacinas.

O remédio, um coquetel de dois anticorpos chamado AZD7442, diminuiu o risco de casos graves de Covid-19 ou mortes em 50% em pacientes não-hospitalizados que tiveram sintomas durante sete dias ou menos, atingindo a principal meta do estudo.

VEJA TAMBÉM: Pílula contra Covid-19 reduz risco de morte e hospitalização em 50% em estudo

A terapia injetável da AstraZeneca é a primeira de seu tipo a se mostrar promissora tanto como medicamento preventivo quanto como tratamento contra Covid-19 após diversos testes. Ela foi concebida para proteger as pessoas que não têm uma reação imunológica forte a vacinas.

“Estes resultados positivos mostram que uma dose intramuscular conveniente de AZD7442 poderia desempenhar um papel importante ao ajudar a combater esta pandemia devastadora”, disse Hugh Montgomery, o principal investigador do teste, em um comunicado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Terapias semelhantes feitas com uma classe de remédios conhecida como anticorpos monoclonais estão sendo desenvolvidas pela Regeneron, pela Eli Lilly e pela GlaxoSmithKline com a parceira Vir, e estão aprovadas para uso emergencial no tratamento de casos leves a moderados de Covid-19 nos Estados Unidos.

Na semana passada, a AstraZeneca pediu ao FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA) uma autorização de uso emergencial da AZD7442 como terapia preventiva. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: